"Imbrochável" impulsiona críticas a Bolsonaro nas redes no 7 de Setembro, aponta Quaest

Presidente Jair Bolsonaro durante comemorações do 7 de Setembro em Brasília

SÃO PAULO (Reuters) - Monitoramento nas redes sociais feito pelo instituto Quaest na quarta-feira apontou que a maioria das menções nas publicações sobre os atos de 7 de Setembro foram críticas ao presidente Jair Bolsonaro (PL), especialmente pelos comentários feitos por ele a respeito da primeira-dama Michelle Bolsonaro, vistos como misóginos por internautas.

Segundo o monitoramento, realizado entre a meia noite e as 18h da quarta-feira, 53% das publicações foram críticas ao presidente, ao passo que 45% foram favoráveis e 2% neutras. O pico de menções ocorreu às 17h com a repercussão do termo "imbrochável", usado por Bolsonaro para referir-se a si mesmo no discurso que fez em Brasília.

De acordo com o Quaest, os posicionamentos críticos ao presidente ocorreram "principalmente por sua fala misógina ao se referir a sua esposa durante o discurso na Esplanada dos Ministérios".

Nas publicações favoráveis a Bolsonaro, os destaques, segundo o monitoramento, foram os temas "reeleição" e "críticas ao STF (Supremo Tribunal Federal)".

Em seu discurso na Esplanada, Bolsonaro puxou um coro de "imbrochável" para falar de si próprio após referir-se à primeira-dama e fez comparações entre sua esposa e a socióloga Rosângela Silva, a Janja, mulher de seu principal rival na corrida ao Palácio do Planalto, Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ele chamou Michelle Bolsonaro de "princesa" e disse aos homens da plateia que deveriam também procurar por princesas para se casarem.

"Menções com a palavra 'imbrochável' ou 'imbroxável' representaram cerca de 39,2 mil publicadas por 25,87 mil autores únicos. Isso representa uma média de 1,5 postagem por autor no período selecionado", disse o Quaest.

"As menções representaram, principalmente críticas à fala misógina do presidente e que infelizmente a palavra ficará para a história representando o Bicentenário da Independência", acrescentou o instituto.

(Reportagem de Eduardo Simões)