IML confirma que corpos encontrados em carro incendiado no DF são femininos

A Polícia Civil de Minas Gerais confirmou que os dois corpos encontrados carbonizados em um veículo em Unaí são de duas mulheres, o que reforça a tese de que seriam de Renata Juliene Belchior e Gabriela Belchior de Oliveira, duas das vítimas de uma chacina que teria sido encomendada por pai e filho no último dia 14. Thiago Gabriel Belchior de Oliveira, de 30 anos, e Marcos Antônio Lopes de Oliveira, de 54, filho e marido de Renata, são suspeitos de orquestrar os assassinatos das duas, da esposa de Thiago e dos três filhos dele.

Chacina: o que se sabe sobre pai e filho que seriam mandantes dos assassinatos de suas próprias famílias, no DF

'São minha vida': desaparecido, suspeito de matar e carbonizar família se declarava para os filhos nas redes

Autor confesso dos crimes, Horácio Carlos Ferreira Barbosa, de 49 anos, disse que Thiago e Marcos Antônio foram os responsáveis por orquestrar os assassinatos. De acordo com o delegado Ricardo Viana, da 6ª Delegacia de Polícia do Paranoá, Horácio relatou que ele e mais um suspeito envolvido, Gideon Batista de Menezes, de 55 anos, receberam R$ 100 mil para matar a cabeleireira Elizamar Silva, os três filhos dela — Gabriel, de 7 anos, e os gêmeos Rafael e Rafaela, de 6 anos —, sua sogra e sua cunhada, informou o portal g1 nesta terça-feira. Gabriel, Rafael e Rafaela eram, respectivamente, filhos e netos de Thiago e Marcos Antônio.

As outras duas vítimas são a mulher e a filha de Marcos Antônio, que seriam os corpos carbonizados que estão sendo analisados pelo IML. O crime teria contado, segundo a versão de Horácio, com a participação de uma amante de Marcos e da filha dela.

Gideon também foi preso, mas optou por se manter calado. Imagens de câmera de segurança mostram-no comprando gasolina em Cristalina (GO) para atear fogo no carro de Elizamar. Houve ainda um terceiro suspeito detido. De acordo com a investigação, Fabrício Silva Canhedo, de 34 anos, foi responsável por vigiar parte das vítimas, que foram mantidas em um cativeiro.

As seis vítimas são:

Elizamar Silva, de 39 anos (mulher de Thiago e nora de Marcos Antônio)

Gabriel, de 7 anos (filho de Thiago e neto de Marcos Antônio)

Rafael, de 6 anos (filho de Thiago e neto de Marcos Antônio)

Rafaela, de 6 anos (filha de Thiago e neta de Marcos Antônio)

Renata Juliene Belchior, de 52 anos (mãe de Thiago e mulher de Marcos Antônio)

Gabriela Belchior de Oliveira, de 25 anos (irmã de Thiago e filha de Marcos Antônio)

Motivação

Ainda com informações enviadas pela Polícia Civil do DF ao g1, Horácio explicou que a ideia era atrair Elizamar ao Paranoá para cometer o crime. A princípio, o objetivo era roubar uma quantia em dinheiro numa conta bancária da mulher e então matá-la. Thiago, o marido, teria pedido para ela buscá-lo na região, mas teria se surpreendido ao ver seus filhos no carro. Isso teria desviado o plano para Cristalina (GO). Até então, Thiago, Marcos Antônio, Gideon e Horácio estariam juntos. Horácio disse que as vítimas foram sufocadas, e o veículo foi incendiado. O suspeito contou ainda que Thiago teria ele mesmo matado um dos filhos. Depois, Horácio, Gideon, Thiago e Marcos Antônio teriam sequestrado as outras mulheres e as matado após deixá-las em cativeiro por cinco dias.

Segundo a investigação, Renata tinha vendido uma casa na região de Santa Maria por R$ 400 mil, e a ideia de Marcos era matá-la para ficar com o dinheiro e fugir com a amante.

Os sete suspeitos de participarem do crime são:

Horácio Carlos Ferreira Barbosa, de 49 anos (foi preso)

Gideon Batista de Menezes, de 55 anos (foi preso)

Fabrício Silva Canhedo, de 34 anos (foi preso)

Thiago Gabriel Belchior de Oliveira, de 30 anos (considerado desaparecido)

Marcos Antônio Lopes de Oliveira, de 54 anos (considerado desaparecido)

Amante de Marcos Antônio (nome não divulgado)

Filha da amante de Marcos Antônio (nome não divulgado)

O caso começou após o desaparecimento de Elizamar e seus três filhos, na última quinta-feira, dia 12. A família morava em Santa Maria, no DF. Elizamar e Thiago estavam casados havia 10 anos. Ela também era mãe de um rapaz de 24 anos e de uma jovem de 18 anos, que avisaram a polícia sobre o desaparecimento. O carro dela foi encontrado carbonizado com quatro corpos em seu interior em Cristalina (GO) na sexta-feira. Testemunhas relataram que Thiago citou uma briga entre eles antes do sumiço. Por fim, no sábado, foi localizado na BR-251, em Unaí (MG) o automóvel de Marcos Antônio, também carbonizado, contendo dois corpos.

Os seis corpos ainda devem ser oficialmente identificados pela perícia. A investigação segue em andamento pelas polícias civis do DF, de Goiás e de Minas Gerais.

Procurada pelo GLOBO, a Polícia Civil do DF informou, em nota, que "a 6ª DP prendeu, na noite de terça-feira (17), mais um envolvido na morte das seis vítimas encontradas carbonizadas em Cristalina/GO e Unaí/MG".

"Trata-se de um homem, de 34 anos, que participou da vigilância das vítimas enquanto eram mantidas em cárcere em Planaltina", acrescentou.

Apesar da versão apresentada pelo suspeito, a Polícia Civil não descarta completamente a possibilidade de que Thiago e Marcos Antônio também sejam vítimas do crime.