Império econômico do chefão da Cosa Nostra bloqueado inclui supermercados, resorts e usinas eólicas

Um verdadeiro império econômico de cerca de US$ 5 bilhões foi confiscado dos "testas de ferro" de Matteo Messina Denaro, o último chefão da Cosa Nostra, preso na segunda-feira após passar 30 anos foragido.

Segundo fontes dos investigadores, o patrimônio do líder da máfia siciliana pode ser ainda maior.

O líder da temida organização criminosa "lavou" parte de sua enorme fortuna, que começou com o tráfico de drogas nas décadas de 1980 e 1990, em atividades legais, incluindo uma rede de usinas eólicas, resorts turísticos, edifícios, supermercados e obras de arte.

De acordo com o jornal econômico Il Sole24Ore, o chefe da máfia usou "laranjas" para lavar dinheiro sujo.

A Direção Investigativa Antimáfia italiana (DIA) considera que, graças à cumplicidade de empresários, profissionais e amigos, Denaro construiu um império que alcança, inclusive, outros países, entre eles vários da América Latina.

- Caça ao tesouro -

“O rei foi descoberto, agora procura-se o seu tesouro”, anunciaram os investigadores da equipe da polícia especializada em crimes econômicos.

"Não há dúvida de que sua fortuna é maior. O cálculo até agora foi feito com base em operações policiais, como no setor de supermercados e de usinas eólicas", explicou à Rai News24 Eleonora Montani, professora de direito penal da Universidade Bocconi e membro do comitê antimáfia de Milão.

"O crime organizado entra nos setores, onde consegue se infiltrar (...) A máfia não investe para o bem da sociedade, mas para obter lucros para ela", afirmou.

O jornal La Repubblica garante que Matteo Messina Denaro utilizou profissionais como eletricistas e açougueiros, para lavar dinheiro sujo, que foram verdadeiros magos financeiros.

"Em 2018, a DIA ordenou o confisco dos bens de Carmelo Patti, um eletricista de Pavia (norte), mas de origem siciliana, que em poucos anos se tornou um dos cinco homens mais ricos da Itália" com a Valtur, uma rede de hotéis e resorts, afirma o jornal.

Segundo o último relatório da DIA, que pode ser consultado on-line, a temida organização não investe apenas na Sicília. Também lava dinheiro em vários países e em paraísos fiscais.

Para Giuseppe Pipitone, jornalista siciliano e especialista em máfia, as relações de Matteo Messina Denaro com a América Latina datam de meados do século XX.

Essas relações são próximas, graças a seu pai, "don Ciccio" Messina Denaro, também chefe da máfia local, amigo íntimo da família mafiosa Cuntrera-Caruana. Conhecida como "os banqueiros da Cosa Nostra", desfrutou de uma posição-chave no tráfico de drogas e lavagem de dinheiro entre as décadas de 1980 e 1990.

“As famílias Cuntrera e Caruana emigraram para o Canadá, depois para o Reino Unido e finalmente para a Venezuela, onde rapidamente se tornaram os maiores traficantes de drogas do mundo”, beneficiados por suas conexões com os chefões colombianos da cocaína.

Coordenada por Pipitone, a edição especial dedicada à máfia do jornal Il Fatto Quotidiano publicada no ano passado cita um mafioso arrependido que contou que, há 20 anos, Matteo Messina Denaro investiu US$ 5 milhões em uma granja, por meio de seus amigos na Venezuela.

"Galinhas, ou cocaína?", questionou.

kv/mb/jc/tt