Impeachment não é única forma de tirar Trump do poder antes da posse de Biden

Pedro Doria
·2 minuto de leitura

O impeachment, processo que pode ser aberto pela Câmara dos Deputados dos EUA contra o presidente Donald Trump, não é a única forma de tirá-lo do poder antes do dia 20, quando se encerra seu mandato. Há outros dois caminhos. Após a incitação que ele fez para que uma turba invadisse o Capitólio, as três alternativas estão à mesa e atendem a propósitos políticos diferentes. Dependendo de como os próximos dias evoluem, uma pode avançar.

O impeachment é iniciativa do Partido Democrata, que controla a Câmara dos Deputados, onde o processo começa. A vantagem é que se trata de o Congresso, o poder que foi atacado, apresentar uma resposta. O impeachment permite, também, que no fim os senadores tornem Trump inelegível. E, dependendo de como o ambiente político esteja, pode ser que também republicanos desejem esta opção.

A segunda alternativa é a 25ª Emenda — um processo pelo qual, caso conte com o apoio de metade dos ministros, o vice-presidente pode destituir o presidente com aprovação do Congresso. Seria uma forma mais rápida e permitiria ao Partido Republicano assumir o controle da situação. São políticos do partido de Trump que o tiram da Casa Branca. Dependendo de como oscilarem os desejos de parlamentares no Congresso, ou a opinião pública, pode acontecer.

E há uma terceira: a renúncia. Pode ser a melhor alternativa para o próprio Trump. Richard Nixon renunciou tendo feito um acordo com Gerald Ford, que o sucederia. Ford concedeu ao ex-presidente perdão presidencial. Isto tornou Ford impopular, mas ao evitar um longo processo judicial contra Nixon, que poderia terminar com sua prisão, permitiu que a política do país mudasse de assunto. Se ficar claro que Trump ou seus filhos responderão a muitos processos, ou que o impeachment tem chances de sair, pode ser que valha para o presidente fazer um acordo do tipo com seu vice, Mike Pence. O perdão presidencial poderia sair minutos após a posse e dias antes de Biden assumir o governo. Sem processos judiciais daqueles que levantam manchetes, e sem redes sociais, talvez assim Trump vire passado e o novo governo possa começar do zero.

O fato de que os três movimentos estão sendo estudados e preparados não quer dizer que Trump deixará a Casa Branca. Mas a crise está posta e qualquer coisa pode acontecer nos próximos nove dias.