A importância de estimular o cérebro da criança até os 3 anos de idade

Diversas pesquisas têm mostrado que, durante os primeiros anos de vida, são estabelecidos os alicerces da saúde mental, do bem-estar e da aprendizagem das crianças. Nesta fase, os mais novos têm a capacidade de aprender com mais facilidade diferentes tipos de competências, sendo fundamental o papel dos pais, familiares ou responsáveis ​​pela educação.

As experiências científicas de diferentes comunidades mostram que populações nas quais a ênfase não tem sido colocada na comunicação, no desenvolvimento da linguagem, na capacidade de expressar afeto, ou de desenvolver padrões lúdicos adequados para cada idade, ou seja, não investem tempo e energia no desenvolvimento dos primeiros anos de vida, estão deixando de investir no potencial cognitivo futuro dessas pessoas.

Os pais são muito importantes na promoção de experiências iniciais que irão enriquecer as habilidades cognitivas, afetivas e linguísticas das crianças. Nos primeiros anos, principalmente entre os zero e três anos, o cérebro da criança é como uma massa moldável, sendo este o momento ideal para gerar todas as conexões necessárias para um crescimento saudável desde a infância até a idade adulta.

Tanto é assim que o desenvolvimento dos primeiros anos de vida terá impacto, por exemplo, no rendimento escolar ou mesmo nas possibilidades de trabalho no futuro. Por esta razão, diferentes tipos-chave de desenvolvimento são distinguidos nesta fase:

Inclui a consolidação de várias capacidades de percepção, movimento, pensamento, organização, planejamento e tomada de decisão. Evidências científicas mostram que, para que essas habilidades se desenvolvam adequadamente, as crianças precisam de pessoas que conversem com elas, cantem para elas, olhem para elas, respondam, acolham quando choram e brinquem com elas.

Além disso, os mais novos precisam de rotinas organizadas para as principais atividades de cada dia, receber instruções breves, claras e precisas, bem como ser elogiados sempre que fizerem algo corretamente ou pela primeira vez.

Esse processo está relacionado com a forma como a criança aprende a expressar e controlar suas emoções, entender as dos colegas e se relacionar com outras pessoas. Evidências científicas mostram que, para potencializar essas habilidades, as crianças precisam receber amor, atenção, compreensão e aceitação dos adultos, desenvolvendo assim a confiança em seus pontos fortes.

Abrange a aquisição das habilidades para reconhecer e produzir sons da fala, compreender palavras e produzir gestos significativos. Nesse sentido, a pesquisa mostra que conversar com a criança para que ela nomeie objetos e pessoas dentro e fora de casa, que aproveita as situações cotidianas para dizer palavras novas e familiares, que a motiva e parabeniza quando usa corretamente uma palavra, estimula o desenvolvimento da linguagem com intenção comunicativa.

Pesquisas realizadas em diferentes países do mundo mostraram que o apoio dos responsáveis ​​pela criação dos filhos com práticas e ferramentas facilitadoras é muito eficaz para favorecer o desenvolvimento das crianças, principalmente daquelas com menos recursos ou que crescem em contextos de pobreza.