Importações de soja pela China em 2021 caem 3,8% com margens e demanda em queda

·3 min de leitura
Trabalhadors lidam com soja importada no porto de Nantong

Por Hallie Gu e Dominique Patton

PEQUIM (Reuters) - As importações de soja pela China em 2021 caíram em relação ao ano anterior, a primeira queda anual desde 2018, mostraram dados alfandegários nesta sexta-feira, deprimidas pelo enfraquecimento da demanda do setor de produção de suínos.

A China, o maior comprador mundial de soja, trouxe 96,52 milhões de toneladas da oleaginosa nos 12 meses de 2021, queda de 3,8% em relação ao volume de 100,33 milhões de toneladas de 2020, mostraram dados da Administração Geral de Alfândegas, com queda nas margens dos suínos e aumento do uso do trigo como ração pressionando o consumo.

Os processadores reduziram as compras de soja no segundo semestre do ano, uma vez que as margens de esmagamento pioraram devido ao aumento dos custos de importação e aos baixos preços domésticos do farelo de soja, disse Zou Honglin, analista da divisão agrícola da Mysteel, uma consultoria de commodities com sede na China.

"Os preços domésticos de suínos caíram, empurrando para baixo as margens dos suínos e a demanda por farelo de soja. A prática de usar trigo para substituir um pouco de milho na ração também reduziu a demanda por farelo de soja", disse Zou.

As importações de dezembro, no entanto, subiram 18% em relação ao mesmo mês do ano anterior, chegando a 8,87 milhões de toneladas. Os números também aumentaram em relação aos embarques de novembro, mostraram os dados.

"As importações de setembro e outubro foram especialmente fracas. Os preços do suíno vivo caíram drasticamente no primeiro semestre do ano e os importadores não queriam trazer muita soja porque havia muita incerteza sobre a demanda de ração", disse Darin Friedrichs, co-fundador da empresa de pesquisa agrícola Sitonia Consulting.

"Também parece que a compra do produto do Golfo dos EUA tem sido lenta devido a interrupções na logística. Muitos compradores decidiram que podem esperar até a nova safra no Brasil. Isso pode criar uma situação interessante dependendo de como a onda de calor e as perdas de safra se desenvolverem na América do Sul", disse Friedrich.

Os embarques dos Estados Unidos na campanha de comercialização de 2021/22 foram reduzidos devido a atrasos nos carregamentos nos portos após o furacão Ida e uma safra de soja no Brasil no início de 2022.

No entanto, a seca nas principais regiões produtoras de soja do Brasil, o maior fornecedor da oleaginosa da China, pode fazer com que os rendimentos médios atinjam uma baixa de 6 anos e reduzam a produção nesta temporada em relação às estimativas anteriores.

As importações de soja pela China atingiram um recorde anual em 2020, à medida que os processadores aumentaram as compras graças à demanda saudável de um rebanho de suínos que se recuperava rapidamente de surtos de peste suína africana. Um crescente excesso de oferta de suínos, no entanto, reduziu os lucros e enviou as margens de esmagamento para território negativo em 2021. Elas caíram para mínimas recordes negativas de 650 iuanes (102,19 dólares) a tonelada em junho.

O colapso na lucratividade do setor de suínos e um aumento acentuado no uso de trigo na ração reduziram a demanda por soja, com analistas prevendo em meados de 2021 que as importações de soja pela China para o ano poderia ser inferiores a 100 milhões de toneladas.

A demanda por trigo como matéria-prima pode diminuir no ano novo, já que os preços do milho caíram após uma colheita abundante, enquanto Pequim recentemente proibiu produtores e consumidores de ração de participar de leilões de trigo das reservas estaduais.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos