Imposto de renda: veja cinco vantagens de antecipar a declaração

Marcos Santos/USP Imagens/Fotos Públicas

Por Milena Carvalho

Todo começo de ano é a mesma história: os brasileiros se organizam para pagar impostos, como o IPTU e o IPVA, além de começarem a se preparar para a declaração do imposto de renda. O prazo do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física (IRPF) costuma ser entre o começo de março e fim de abril. A maioria, segundo a própria Receita Federal, costuma deixar o envio para as últimas semanas. No entanto, especialistas apontam por que antecipar a declaração pode ser vantajoso para o contribuinte.

•Cidadão consegue se livrar do ‘monstro’ o quanto antes

Apesar de parecer óbvio, muita gente não se importa em entregar o documento do imposto de renda o quanto antes. Mesmo que com o passar dos anos a ferramenta online tenha se tornado mais simples, há quem ainda tenha dificuldades no preenchimento – e são essas pessoas que deveriam aproveitar para antecipar a declaração. “Já que não tem como fugir, para aqueles que ficam estressados nessa época do ano por conta do IR, o melhor é se livrar da incumbência o mais rápido possível”, recomenda Roberto Piscitelli, economista e professor de Finanças Públicas da Universidade de Brasília (UnB).

•Recebimento da restituição nos primeiros lotes

Para os contribuintes que têm dinheiro a receber de volta, o ideal é declarar o quanto antes. Assim, quem seguir dessa maneira, muito provavelmente estará enquadrado no grupo dos primeiros lotes – a Receita Federal começa a liberar a restituição a partir da primeira quinzena de junho. Vale lembrar, entretanto, que idosos, portadores de doenças graves e deficientes sempre têm prioridade na restituição. O lema de “quem entrega antes recebe antes” costuma contar a partir do segundo lote.

•Mais tempo para lidar com possíveis imprevistos

A antecipação da declaração do IRPF ajuda os contribuintes a terem mais tempo para eventuais correções, como exemplifica Piscitelli: “às vezes o indivíduo ainda não recebeu os devidos documentos das fontes pagadoras que precisa para declarar ou se esqueceu de incluir algum recibo médico”. Nesse caso, quem entregou mais cedo, consegue fazer uma declaração retificadora de forma mais tranquila e diminui os riscos de cair na malha fina.

•Saber com antecedência quanto irá receber (ou pagar)

Quanto mais cedo feita a declaração, mais rápido você saberá quanto terá de receber de restituição. No entanto, caso você tenha impostos a pagar, ter o conhecimento o quanto antes desse valor ajuda a ter tempo de se planejar financeiramente para quitar as dívidas. Se acabar deixando tudo para a última hora, a chance de atrasar e passar do prazo dado pela Receita Federal é grande.

•Não correr perigo de pagar taxas e multas

Nas últimas semanas e dias da entrega da declaração é comum que o sistema fique um pouco mais lento, devido ao grande número de acessos. Caso o contribuinte deixe para a última hora e não consiga apresentar o documento na data dada pelo governo – normalmente no último dia do mês de abril –, ele estará cometendo uma infração. De acordo com a Receita, a multa por atraso na entrega é de 1% ao mês-calendário ou fração de atraso, calculado sobre o imposto devido, com valor mínimo de R$ 165,74.