Imprensa francesa avalia se a Ucrânia pode vencer a Rússia, como dizem os EUA

A imprensa francesa analisa nesta quarta-feira (27) o risco assumido por 40 aliados ocidentais de elevar a pressão contra o presidente russo, Vladimir Putin, acelerando o envio de armas à Ucrânia. A decisão foi tomada ontem em um encontro de ministros da Defesa na Alemanha. O jornal Libération questiona em sua manchete de capa até que ponto a Ucrânia tem condições de vencer a guerra contra o invasor russo, como acredita o governo dos Estados Unidos.

Berlim irá fornecer tanques de guerra à Ucrânia, marcando uma guinada histórica em sua política externa no pós-guerra, enquanto Washington promete ajudar o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, "até o sucesso final". O chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, alertou os ocidentais contra o risco de uma Terceira Guerra Mundial, "um conflito que na realidade já começou", diz o editorial do Libération.

Com mais de US$ 4 bilhões em ajuda desde o início da presidência de Joe Biden, Washington continua sendo, de longe, o principal patrocinador do governo ucraniano. Dois fatores, na opinião de uma fonte diplomática francesa ouvida pelo Libération, explicam a adesão dos europeus ao enfrentamento desejado pela administração democrata.

O site do Le Monde afirmava na manhã desta quarta-feira que, apesar do "dilúvio de bombas" russas lançadas na região de Donbass, Moscou não consegue conquistar totalmente essa faixa do território cobiçada por Putin. Ele pretendia declarar uma vitória nessa região fronteiriça até a data de 9 de maio, quando os russos celebram a vitória contra o nazismo na Segunda Guerra, mas o Exército ucraniano resiste e nenhum sucesso decisivo desponta no horizonte, na avaliação do jornal francês.

Próximo alvo de Putin


Leia mais

Leia também:
"Todos podem participar": exército cibernético da Ucrânia se mobiliza contra a Rússia
Europeus acusam Rússia de chantagem após Gazprom suspender fornecimento de gás para Polônia e Bulgária
Ocidentais se coordenam para acelerar envio de armas à Ucrânia; Alemanha fornecerá tanques

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos