1 / 4

revive_dead

Reprodução

Impressionante! Cientista já conseguiu ressuscitar cães

Uma das grandes obsessões da ciência há décadas e mais décadas consiste em driblar a morte. Seja para criar fórmulas imortalidade ou até mesmo para se falar em ressurreição, seja ela de qualquer forma.

Esse parece ser um papo distante, muito longe da realidade. Mas a verdade é que quase um século atrás, experimentos de reanimação foram muito bem sucedidos. E tiveram como cobaias cachorros.

Para entender essa história temos de voltar para a década de 1930, mais especificamente nos Estados Unidos. Por lá, o cientista americano Robert E. Cornish ganhou fama por conta de seus experimentos de reanimação.

Ele tinha apenas 18 anos quando com honras pela Universidade da Califórnia. Inspirado por filmes de propaganda da extinta União Soviética, ele passou a estudar com afinco o tema da reanimação. Foram diversos experimentos falhos até ele conseguir o que queria.

Foi em 1934 que dois cães da raça Fox Terrier foram ressuscitados pelo cientista. Ambos haviam sido sacrificados horas antes, o que indica que houve sim reanimação após morte. O grande problema, porém, foi a forma como esses animais voltaram à vida.

Os dois cachorros realmente se moveram, mas apresentaram danos cerebrais extremamente profundos. Por conta disso, ficaram quase toda sua “nova vida”, que não durou muito, em estado de semiconsciência, o que gerou muitas dúvidas quanto à aplicação da técnica em humanos.

A técnica de Cornish se baseava em uma máquina que ele chamava de “gangorra” (veja nas fotos acima), na qual ele colocava o corpo e fazia com que o sangue parado após a morte voltasse a circular. Por conta dessa forma de agir, ele afirmava que precisava dos corpos logo após a morte.

Em humanos, por questões éticas, o procedimento nunca foi testado. Dois condenados à morte chegaram a oferecer seus corpos para o cientista, mas questões legais e burocracias pós-execução fizeram com que o teste não saísse do papel para humanos. Mesmo assim, até hoje os estudos em torno da ressureição giram em torno dos estudos de Cornish.