Impunidade marca assassinatos de políticos no Rio; foram 23 desde 2018

Rafael Soares
·1 minuto de leitura
Cléber Júnior / Agência O Globo
Cléber Júnior / Agência O Globo

RIO — A impunidade é uma marca dos assassinatos de políticos no Rio. Desde 2018, 23 políticos foram mortos no estado, segundo levantamento do Grupo de Investigação Eleitoral (Giel) da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio). Em 14 casos, os inquéritos não foram concluídos e a autoria dos crimes permanece indeterminada, embora a principal linha de investigação da polícia aponte para a participação de milícias em um terço das mortes. Até hoje, no entanto, ninguém foi condenado, é o que revela a segunda reportagem da série “A política silenciada”, que conta histórias de locais onde a democracia é ameaça pela violência.

Um dos casos em que a investigação segue aberta é o do homicídio de Robson Giorno, pré-candidato a vereador em Maricá, na Região Metropolitana do Rio, executado com três tiros numa emboscada em maio de 2019. Apesar de a polícia ter indícios de que o crime foi cometido pela milícia local, ninguém ainda responde pelo homicídio.