Imunidade da covid-19 pode durar apenas alguns meses, diz estudo

Equipe HuffPost
·Redação HuffPost Brasil
Os pesquisadores acompanharam dados de 350 mil pessoas que fizeram exames regulares para detectar os anticorpos da covid-19. (Photo: picture alliance via Getty Images)
Os pesquisadores acompanharam dados de 350 mil pessoas que fizeram exames regulares para detectar os anticorpos da covid-19. (Photo: picture alliance via Getty Images)

A imunidade das pessoas infectadas pelo novo coronavíruscai bastante rapidamente”, de acordo com um estudo feito pelo Imperial College London junto com a Ipsos Mori. A pesquisa indica que a proteção gerada pelo corpo pode durar apenas alguns meses.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores acompanharam dados de 350 mil pessoas que fizeram exames regulares para detectar os anticorpos da covid-19 entre 20 junho e 28 de setembro. Neste período, o percentual dos que tiveram teste positivo foi caindo de 26,5% para 6% e depois para 4,4%.

Esse resultado sugere uma redução de anticorpos nas semanas ou meses após a infecção. O estudo também indica que os assintomáticos são os que perdem a imunidade com mais rapidez. Entre os que não apresentaram sintomas, a queda foi de 64%, já entre os que apresentaram foi de 22,3%, no período dos três meses do estudo.

A redução ocorre ainda mais rápido entre os idosos. A queda no percentual entre as pessoas com mais de 75 anos foi de 39%. Entre aqueles com idade entre 18 e 24 anos foi de 14,9%.

Podemos ver os anticorpos e podemos vê-los diminuindo e sabemos que os anticorpos por si próprios são bastante protetores. Wendy Barclay, virologista do Imperial College

De acordo com a virologista, o novo coronavírus parece se comportar de maneira muito similar aos coronavírus sazonais que existiram nos seres humanos durante décadas, alguns durante centenas de milhares de anos. O que indica que uma pessoa pode ser reinventada a cada um ou dois anos.

A pesquisa confirma estudos anteriores que já indicavam queda na imunidade, em um período que vai de 6 a 12 meses. Essa pesquisa, no entanto, não leva em consideração outros tipos de respostas imunológicas, como as que são feitas pelas células T. Essas células, assim como as células B, podem estimular uma rápida produção de anticorpos em casos de reinfecção.

LEIA MAIS:

8 filmes e documentários para entender o que é o movimento feminista (e por que ele é importante)

Os efeitos de 2020 sobre a saúde mental, de acordo com terapeutas

Em meio a críticas de Bolsonaro, STF deve julgar em novembro ações sobre vacinação

Este artigo apareceu originalmente no HuffPost Brasil e foi atualizado.