Inédito Intel Processor N100 mostra grande evolução em primeiro teste

Substituto dos antigos Celeron e Pentium, o inédito chip Intel Processor N100 ganhou seu primeiro teste mais aprofundado nesta semana, equipado em um mini PC bastante compacto. Integrante da linha Alder Lake-N, anunciada na CES 2023 e baseada em uma arquitetura completamente nova, o componente surpreendeu pelo enorme salto de performance por núcleo que apresentou sem afetar a eficiência energética, tendo até mesmo fôlego para encarar emulação de jogos antigos.

Especializado em PCs portáteis e outros computadores compactos, bem como emulação, o canal do YouTube ETA Prime teve acesso ao MoreFine N9, um dos primeiros mini PCs a serem equipados com o Intel Processor N100. A CPU traz 4 núcleos e 4 threads, baseados na microarquitetura Gracemont, mesma dos E-Cores de alta eficiência da 12ª geração Intel Alder Lake — basicamente, nesse componente temos 4 E-Cores trabalhando sozinhos, sem o auxílio dos P-Cores de alto desempenho.

O Intel Processor N100 faz parte da família Alder Lake-N, que se destaca por trazer núcleos Gracemont (os E-Cores da família Intel de 12ª geração) e suporte a tecnologias como RAM DDR5 e Wi-Fi 6E (Imagem: Intel)
O Intel Processor N100 faz parte da família Alder Lake-N, que se destaca por trazer núcleos Gracemont (os E-Cores da família Intel de 12ª geração) e suporte a tecnologias como RAM DDR5 e Wi-Fi 6E (Imagem: Intel)

O uso da arquitetura mais recente traz diversos benefícios, incluindo suporte a até 32 GB de RAM DDR4-3200, ainda que apenas um canal de memória seja habilitado, compatibilidade com SSDs M.2 NVMe PCIe 4.0 e conectividade avançada de alta velocidade com Wi-Fi 6. Fora isso, a GPU foi aprimorada e traz agora 24 Unidades de Execução, ou 192 núcleos, trabalhando a até 750 MHz. Como é destinado a PCs mais simples e de tamanho reduzido, o N100 tem consumo de 14 W (CPU + GPU, sem boost), com a CPU sozinha atingindo 9 W.

Antes dos testes, é preciso ter em mente que o uso de RAM single-channel, especialmente DDR4, afeta seriamente as capacidades do processador em tarefas mais pesadas — designs com DDR5, suportadas pela novidade, devem ter impacto menor. Nesse cenário, a CPU tem menos velocidade para acessar a memória, assim como a GPU, que sofre ainda mais por sempre precisar de acesso a grandes quantidades de dados de uma vez. Mesmo assim, os números obtidos por ETA Prime impressionam.

O Intel N100 impressiona no Geekbench 5, apresentando ganhos de até 64% frente ao seu equivalente da geração anterior, o Intel Celeron N5105 (Imagem: ETA Prime/YouTube)
O Intel N100 impressiona no Geekbench 5, apresentando ganhos de até 64% frente ao seu equivalente da geração anterior, o Intel Celeron N5105 (Imagem: ETA Prime/YouTube)

No Geekbench 5, que avalia a CPU, o N100 conseguiu marcar 960 pontos em single-core e 2.658 pontos em multi-core. Apesar de não parecerem dignas de nota, essas pontuações simbolizam avanços massivos frente ao processador equivalente da geração anterior, o Celeron N5105, da família Jasper Lake. Com a mesma quantidade de núcleos e consumo, o modelo mais antigo marca apenas 587 pontos em single-core e 2.078 pontos em multi-core, o que representa avanços gigantescos de 64% e 28% para a solução mais nova, respectivamente.

Esses ganhos podem ser vistos logo ao navegar na internet e até mesmo ao reproduzir vídeos em 4K a 60 FPS, tarefas cumpridas sem dificuldade. O desempenho do N100 também impressiona em games: o lançamento é capaz de rodar The Elder Scroll V Skyrim a 60 FPS com resolução 720P e preset Low, havendo margem na GPU para ir a configurações gráficas mais altas. Outros títulos antigos, como Half-Life 2, são executados com ainda mais fluidez, atingindo médias de 135 FPS.

Jogos como The Elder Scrolls V: Skyrim conseguem rodar sem dificuldades no N100, cujo maior destaque é na emulação de consoles como GameCube e PS2 (Imagem: ETA Prime/YouTube)
Jogos como The Elder Scrolls V: Skyrim conseguem rodar sem dificuldades no N100, cujo maior destaque é na emulação de consoles como GameCube e PS2 (Imagem: ETA Prime/YouTube)

Games mais recentes, como GTA V, sofrem mais para rodar, chegando a pouco mais de 30 FPS. Ainda assim, quando consideramos que o chip está limitado pelo consumo de 14 W, além da RAM single-channel, trata-se de um ótimo resultado. Apesar disso, é na emulação em que o Intel Processor N100 realmente se destaca, executando com bastante folga códigos de consoles como o Nintendo GameCube e o PS2.

Ambos conseguem rodar a maioria dos títulos populares sem dificuldades, com taxa de quadros de 60 FPS e resolução multiplicada em pelos menos 3x. A exceção vai para o emulador de Wii U, que não conseguiu manter o framerate estável, ainda que estivesse alcançando médias de 40 FPS a 45 FPS. Como a GPU estava atingindo seu limite, ETA Prime acredita que a RAM single-channel seja o principal limitador para não termos 60 FPS neste caso.

A sequência de conquistas impressionantes do N100 é concluída com os dados de consumo e temperatura: sem uso, o componente consome apenas 4 W, chegando ao máximo de 18 W nos momentos de processamento mais intenso. Já as temperaturas chegaram a somente 71 ℃ nas tarefas mais pesadas, em virtude de uma ventoinha inclusa no pacote, que ainda assim operava silenciosamente.

Sem RAM ou armazenamento, o MoreFine N9 é vendido no site da MoreFine por US$ 205 (~R$ 1.070), mas uma configuração completa mínima, com 16 GB de RAM e 500 GB de SSD, sai por US$ 319 (~R$ 1.670). O fator mais curioso é que a empresa realiza envios para o Brasil, possuindo uma opção de frete gratuito. Dito isso, caso queira arriscar a compra desse ou de outros mini PCs, tenha em mente que ainda há riscos de taxação.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: