Início da votação na França reforça preocupação com abstenção

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

PARIS, FRANÇA (FOLHAPRESS) - O segundo turno da eleição presidencial na França, que ocorre neste domingo (24) e opõe o presidente de centro-direita Emmanuel Macron, 44, à ultradireitista Marine Le Pen, 53, ficou ainda mais incerto com a divulgação dos primeiros números de comparecimento às urnas, no início desta tarde.

A taxa de comparecimento dos eleitores ao meio-dia, de 26,41%, segundo o Ministério do Interior francês, está dois pontos abaixo da de 2017, no primeiro confronto entre Macron, do partido LREM (La République en Marche, a república em ação), e Le Pen, do RN (Rassemblement National, reunião nacional). Supera, porém, em um ponto aquela do primeiro turno.

Facultativa, a votação se encerra às 20h locais, 15h no horário de Brasília.

Ao lado dos subúrbios de Val d'Oise e Seine-Saint-Denis, Paris encabeçava a lista de cidades com menor comparecimento matinal às urnas. A expectativa era que a presença dos eleitores se intensificasse no final da tarde. O tempo relativamente aberto e o recesso escolar, que teve início pouco depois do primeiro turno, jogam ainda mais dúvidas sobre a recuperação do nível de abstenção.

O destino dos eleitores de Jean-Luc Mélenchon, terceiro colocado no primeiro turno, é, porém, a principal incógnita. A rejeição a Macron pode levar uma boa parte deles a simplesmente não votar, a optar pelo voto em branco ou ainda à opção mais radical a favor de Le Pen, apesar da recomendação do próprio Mélenchon. "Sabemos em quem nunca votaremos. Não devemos dar votos para a senhora Le Pen", declarou o candidato do partido esquerdista La France Insoumise (a França insubmissa).

Macron votou neste domingo (24) às 13h, em Tuquet, no norte da França, e deve retornar a Paris durante a tarde. O plano do atual presidente é se reunir com apoiadores no Campo de Marte, em frente à Torre Eiffel, depois do fechamento das urnas.

Já a candidata da ultradireita Marine Le Pen compareceu à sua seção eleitoral no final da manhã, na cidade de Hénin-Beaumont, também no norte do país.

Le Pen foi saudada na chegada a seu local de votação acompanhada do prefeito da cidade, Steeve Briois, outro expoente do RN, partido de Le Pen. Ela também retorna a Paris à tarde.

As pesquisas de intenção de voto dão vantagem de até 15 pontos percentuais para Macron, que aumentou sua distância para Le Pen nos últimos dias de campanha.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos