Incêndio em hospital em São Petersburgo deixa cinco mortos

Por Marina KORENEVA
(Arquivo) Dois bombeiros no incêndio de um armazém de autopeças, em São Petersburgo, em 17 de outubro de 2015

Cinco pessoas morreram em um incêndio, nesta terça-feira de manhã (12), em um hospital de São Petersburgo - informou à AFP uma fonte do Ministério russo de Situações de Emergência.

"Cinco pessoas foram vítimas do incêndio, 150 foram evacuadas", disse a mesma fonte à AFP, referindo-se ao incidente no Hospital Saint Guéorgui, no norte da segunda maior cidade do país.

O balanço foi confirmado pelo responsável do escritório local do Comitê de Investigação russo, Serguei Litvinenko.

Do local do incêndio, Pavel Danilov, procurador do distrito de Vyborg, onde fica o hospital, disse aos jornalistas que "as pessoas falecidas eram pacientes do serviço de UTI".

Quatro das vítimas estavam internadas na unidade, completou.

De acordo com a agência de notícias estatal TASS, o estabelecimento foi preparado para receber pacientes com COVID-19.

O escritório local do Ministério de Situações de Emergência informou que o incêndio começou pouco depois das 6h (00h em Brasília), no sexto andar do hospital.

As chamas foram controladas pouco antes das 4h (horário de Brasília) e afetaram apenas cerca de 10 m2.

O hospital não fechou suas portas, e uma paciente que foi atendida disse que "todo o mundo está abalado".

Na frente do estabelecimento, havia várias pessoas com uniforme laranja de proteção, aspergindo desinfetante nos bombeiros que participaram da operação.

As vítimas são "cinco pacientes que usavam respiradores artificiais", relatou uma fonte dos serviços de emergência à agência TASS.

Outra fonte disse à agência de notícias Interfax que "o foco do incêndio estava na 'zona vermelha' para reanimação" do hospital. Nesta área, estão localizados os pacientes infectados com o novo coronavírus.

"É possível que um respirador tenha pegado fogo", acrescentou a fonte.

Em um comunicado, o Comitê de Investigação anunciou a abertura de uma investigação por "mortes por negligência".

Segundo a agência TASS, este hospital foi, no início de março, "um dos primeiros da cidade a ser totalmente repensado para as doenças infecciosas", quando a pandemia ainda estava sob controle na Rússia.

Este é o segundo incêndio, em poucos dias, de um hospital com pacientes de coronavírus.

No sábado, uma pessoa morreu em Moscou em um hospital com cerca de 700 doentes de COVID-19. De acordo com as agências de notícias russas, o fogo também foi declarado em uma unidade de terapia intensiva.

A pandemia provocada pelo novo coronavírus segue em alta no país.

Apesar de uma baixa taxa de mortalidade, são registrados entre 10.000 e 11.000 novos casos todos os dias desde o início de maio.