Incêndio mata 41 em ala de prisão superlotada da Indonésia

·1 minuto de leitura
Incêndio em prisão da Indonésia

Por Yuddy Cahya Budiman e Stanley Widianto

TANGERANG, Indonésia (Reuters) - Um incêndio matou 41 presidiários na ala de uma prisão superlotada da província indonésia de Banten nesta quarta-feira, disse um ministro de governo, e feriu dezenas mais, um incidente que a polícia disse poder ter sido causado por um problema elétrico.

O incêndio, o mais mortal do país desde que 47 pessoas morreram nas chamas de uma fábrica de fogos de artifício em 2017, aconteceu à 1h45 em uma ala da prisão de Tangerang, disse o ministro da Lei e dos Direitos Humanos da Indonésia, Yasonna Laoly, depois de visitar o local.

"Estamos trabalhando junto com as autoridades relevantes para encontrar as causas do incêndio e, é claro, formular estratégias de prevenção para que catástrofes graves como esta não voltem a acontecer", disse ele em um comunicado.

O ministro ainda disse que dois dos mortos eram cidadãos estrangeiros, um da África do Sul e o outro de Portugal, e confirmou que a prisão estava operando acima da lotação quando o incêndio começou.

As celas estavam trancadas, disse ele, mas como o fogo saiu de controle, "algumas salas não puderam ser abertas".

Mais cedo nesta quarta-feira, Rika Aprianti, porta-voz do departamento prisional do ministério, disse que há 122 pessoas detidas por crimes relacionados a drogas em uma ala construída para abrigar 38.

Rika disse que todos os 41 mortos são presidiários, acrescentando que as autoridades ainda estavam esvaziando o local às 9h locais.

O doutor Hilwani, do Hospital Geral de Tangerang, disse à Reuters que alguns corpos estavam irreconhecíveis, e outra autoridade do hospital disse que algumas vítimas estão na UTI.

(Reportagem adicional de Agustinus Beo Da Costa, Fransiska Nangoy e Johan Purnomo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos