Incêndios continuam arrasando Amazônia e Pantanal

·1 min de leitura
Voluntário combate um incêndio e tenta proteger uma das pontes de madeira na estrada do parque Transpantaneira, que cruza o Pantanal, no Mato Grosso, em 13 de setembro de 2020

O número de focos de incêndio na Amazônia brasileira registrou um aumento de 61% em setembro, na comparação com o mesmo período do ano passado, e triplicou na região do Pantanal - apontam dados oficiais divulgados nesta quinta-feira (1o).

Na selva amazônica, os satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) detectaram 32.017 focos de incêndio no mês passado, contra 19.925 em setembro de 2019.

Nos primeiros nove meses do ano, houve 76.030 focos, um aumento de 14% em relação aos 66.749 do mesmo intervalo do ano passado.

Mais ao sul, o Pantanal também está sendo arrasado pelas chamas. No mês passado, o INPE detectou 8.106 focos de incêndio, um recorde mensal desde o início dessas observações em 1998, com um aumento de 180% em relação a setembro de 2019.

Nos primeiros nove meses do ano, os incêndios do Pantanal brasileiro totalizam 18.259. Já superaram o recorde de um ano inteiro, o qual remontava a 2005, quando foram registrados 12.536 focos.

No último fim de semana, o governo de Jair Bolsonaro divulgou nas redes sociais um gráfico, que pretendia mostrar uma diminuição dos incêndios florestais em 2020.

Os números se referiam, porém, aos incêndios dos primeiros oito meses de 2020 comparados ao registrado nos 12 meses dos anos precedentes.

A estação de seca vai até novembro.

lg/js/dga/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos