Incêndio atinge a catedral de Notre Dame, em Paris

(AP Photo/Lori Hinant)

Chamas atingem a catedral de Notre Dame, em Paris, nesta segunda-feira, 15. O incêndio, relatado por usuários nas redes sociais, foi confirmado pelo corpo de bombeiros local.

O incêndio atinge principalmente a torre da catedral, um dos principais destinos de visitação de turistas na região. As chamas também atingem as duas torres dos sinos.

A igreja fica na Île de la Cité, no centro de Paris.


Os bombeiros tentam controlar as chamas do local. De acordo com a agência EFE, a polícia isolou a área e trabalha na retirada dos turistas.

Na última sexta-feira, 12, estátuas que adornam os telhados da catedral foram retiradas para restauração. Ainda não há informações sobre a possibilidade de os trabalhos terem ligação com o incêndio.

Teto desaba

Um vídeo mostra o exato momento em que o teto da catedral desabou.

A torre da catedral de Notre-Dame, atingida por um vasto fogo, "acabou de desmoronar", anunciou nesta segunda-feira Emmanuel Grégoire, vice-prefeito de Paris.

"A partir de agora, uma missão especial foi iniciada para tentar salvar todas as obras de arte que for possível".

"A prioridade foi dada para garantir a área ao redor para proteger os turistas locais do risco de colapso", acrescentou em entrevista a um canal de notícias, o BFMTV.

"Não restará nada da estrutura (do teto), que data do século XIX de um lado e do XIII do outro", lamentou pouco antes André Finot, porta-voz da catedral.

O presidente Emmanuel Macron, que cancelou um importante discurso marcado para a noite desta segunda-feira em resposta aos "coletes amarelos", irá para o pátio da Notre-Dame de Paris, anunciou a presidência francesa.

O Chefe de Estado havia acabado de gravar seu discurso televisionado, adiado para o momento sem nova data anunciada.

O primeiro-ministro Edouard Philippe também visitará o lugar, informou seu gabinete.

Pelo Twitter, a prefeita de Paris pediu que as pessoas não se aproximem da região.

"Um incêndio terrível está acontecendo na Catedral de Notre-Dame. Os bombeiros de Paris estão tentando dominar as chamas (...) Peço a todos que respeitem o perímetro de segurança", escreveu a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, no Twitter.

“Estou triste", afirma Macron

Em sua conta no Twitter, Macron lembrou que o templo é um símbolo da nação e do mundo católico. “Notre-Dame de Paris em chamas. Emoção de uma nação inteira. Pensado para todos os católicos e para todos os franceses”, escreveu Macron.

Construída em 1163, a Catedral de Notre-Dame de Paris (em português, Nossa Senhora de Paris) é uma das mais antigas em estilo gótico na França. Localizada na pequena Ilha de la Cité na capital francesa, cercada pelo Rio Sena.

Em 1831, Victor Hugo escreveu o romance Notre-Dame de Paris, tendo como base a catedral durante a Idade Média e contando a história do corcunda Quasímodo, que se apaixona pela cigana Esmeralda. A ilustração poética do monumento abre portas a uma nova vontade de conhecimento da arquitectura do passado e, principalmente, da Catedral de Notre-Dame de Paris.

O edifício tem 127 metros de comprimento, 48 de largura e 35 de altura. Reúne na parte mais alta abóbadas e dá o primeiro passo na construção colossal do gótico. Os sinos da torre norte, instalados desde 1856, badalam a cada 15 minutos ou em eventos históricos, como no fim da Primeira Guerra Mundial ou na libertação de Paris em 1944.

Mais recentemente, os sinos tocaram em honra às vítimas do atentado de 11 de setembro de 2001, nos Estados Unidos. Em 2012 eles foram derretidos e substituídos por nove novos sinos. A iniciativa foi tomada porque os sinos perderam o tom devido ao desgaste do cobre.

Em Notre-Dame, está guardada aquela que se acredita ser uma das mais importantes relíquias da cristandade: os fragmentos da coroa de espinhos com a qual Cristo foi coroado pelos soldados romanos.A relíquia é apresentada aos fiés a cada primeira sexta-feira do mês, às 15h, e na Sexta-Feira Santa, das 10h às 17h. Os fragmentos da coroa estão guardados desde 1896 dentro de um tubo de cristal e de ouro na Catedral de Notre Dame.

Com AFP