Incêndio na Califórnia iguala incidente histórico e se torna o mais letal da história na região

AP Photo/Noah Berger

O incêndio chamado Camp Fire, ao pé de Sierra Nevada, no norte da Califórnia (Estados Unidos), já iguala o número de mortos do mais letal registrado na história do estado norte-americano, com 29 mortes confirmadas até esta segunda-feira (12). Outra queima, no sul do estado, deixou mais duas vítimas, totalizando 31 mortos em incêndios ativos na região.

Um incêndio ocorrido em Griffith Park, em Los Angeles, em 1933, era considerado o mais letal da área pelo Departamento de Bombeiros da Califórnia (Cal Fire) até o momento. A tragédia deixou 29 vítimas fatais à ocasião. Já o Camp Fire, além das mortes, provocou a derrocada de 6.400 construções e praticamente destruiu a cidade de Paradise; todos os 27 mil moradores do município tiveram de fugir.

O fogo atinge a região desde a noite da última quinta-feira (8), com seis grandes focos de incêndio espalhados pelo estado — três deles considerados críticos pelas autoridades. Por ter se alastrado de forma rápida, o fogo fez muitas vítimas e obrigou milhares de pessoas a deixarem suas casas. Os bombeiros estimam que o total de pessoas que devem deixar a área pode ultrapassar 148 mil.

Com mais de 100 pessoas desaparecidas, a expectativa das autoridades locais é que o número de mortos aumente. Um laboratório para exames de DNA foi montado próximo à região para ajudar a identificar as vítimas.

No Twitter, o presidente Donald Trump causou polêmica ao afirmar que não enviaria mais dinheiro federal para auxiliar na questão dos incêndios por causa da má gestão florestal.

“Não há nenhuma razão para estes enormes, mortais e difíceis incêndios na Califórnia, exceto que a gestão florestal é muito pobre. Bilhões de dólares são gastos cada ano, com muitas vidas perdidas, tudo por causa de uma má gestão florestal. Resolvam agora ou não vai haver mais pagamento do governo”, escreveu. (Com informações da AFP e da Folhapress)