Indígenas denunciam agressão e falas racistas de prefeito de Mangaratiba (RJ), após desentendimento por terra

Indígenas do território Cunhambebe Pindorama, que habitam o Parque Estadual do Cunhambebe, na cidade de Mangaratiba, no Rio de Janeiro, denunciaram, na tarde desta terça-feira, que o prefeito Alan Campos da Costa teria "agredido fisicamente uma indígena" e proferido falas racistas e preconceituosas contra a comunidade. O caso aconteceu nesta manhã, durante uma visita da prefeitura, que pede reintegração de posse da área ocupada pelos indígenas.

No vídeo divulgado nas redes sociais pela comunidade, é possível ver o momento em que Alan Campos se exalta após um indígena o chamar de ladrão. Ao ver um homem segurando arco e flecha, o prefeito manda ele soltar o armamento. Nas redes sociais, o povo Cunhambebe Pindorama escreveu que o prefeito também teria os ameaçado ao dizer: "manda esse povo fantasiado sossegar, porque senão vai ficar ruim para eles".

Ao GLOBO, a prefeitura informou que o prefeito foi ao local checar uma denúncia sobre a abertura ilegal de uma estrada na área de proteção do Parque. A Secretaria de Comunicação disse ainda que "o vídeo que está circulando nas redes sociais foi gravado enquanto o prefeito de Mangaratiba, Alan Campos da Costa, cumpria uma ordem judicial no Parque Estadual Cunhambebe, invadido no último 13 de maio. A gravação está cortada e não mostra o contexto atual da situação. No momento da gravação, que está sendo veiculada de forma editada, o prefeito apenas se defende após ser ameaçado e caluniado". Ainda segundo a prefeitura, o prefeito teria sido ameaçado com um arco e flecha.

Ainda de acordo com a prefeitura, o povo Cunhambebe Pindorama não é reconhecido pela Fundação Nacional do Índio (Funai), por não ter tutela orfanológica. O município informou ainda que, segundo a Funai, não há terra indígena demarcada em Mangaratiba e, portanto, a ocupação dos Cunhambebe Pindorama é ilegal.

"A Prefeitura ainda informa que não irá manifestar nenhum pedido de retratação para os invasores e que não há clima de conflito na cidade. Por fim cabe ressaltar que também não há demarcação de terras indígenas em Mangaratiba e que a atitude dos invasores caracteriza-se como grilagem de terras. Todas as medidas judiciais cabíveis já estão sendo tomadas", concluiu a nota.

O GLOBO ainda tenta contato com a liderança indígena local. Na publicação, a comunidade disse que repudia "esta postura do prefeito Alan Campos da Costa", e que não aceitam "nenhum tipo de violência contra mulheres, crianças, e toda a nossa comunidade indígena".

Ocupação em maio

Cerca de 400 indígenas ocuparam o Parque Estadual do Cunhambebe, em Mangaratiba, na Costa Verde Fluminense, em maio deste ano. Eles reivindicam a retomada do território.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos