Indígenas em Mato Grosso dizem que não conseguem votar por falta de transporte

Lideranças indígenas do Parque Indígena Xingu, em Mato Grosso, disseram que não estão conseguindo votar neste domingo por falta de transporte.

— Neste momento, 124 eleitores indígenas do município de Querência (MT) estão voltando para a suas aldeias por motivo que o pessoal do cartório eleitoral de Querência não mandou o ônibus para buscar os eleitores aqui na aldeia — afirmou ao GLOBO a liderança indígena Iaap Kaiabi.

O prefeito da cidade é o empresário do agronegócio Fernando Gorgen, do União Brasil. Apoiador de Jair Bolsonaro, ele usa uma foto ao lado do presidente em seu perfil no Instagram. Procurada, a prefeitura e o prefeito de Querência não retornaram aos contatos feitos pela reportagem.

Na última terça-feira (25), a presidente da Associação Terra Indígena Xingu (ATIX), Ianukula Kaiabi Suia, havia enviado um ofício ao chefe de cartório da 53ª da Zona Eleitoral de Querência, Tiago Cunha, pedindo a garantias sobre o transportes de eleitores no segundo turno.

“Solicitamos que referido órgão garanta transporte coletivo aos eleitores indígenas que votam na circunscrição desse município, independentemente dos eventos diversos que possam vir”, diz trecho do ofício enviado pela entidade indígena ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Mato Grosso.

— Um dos municípios que tem a maior população indígena do Xingu, que é Querência, está dizendo que não vai buscar o pessoal, não — disse a liderança indígena Watatakalu Yawalapiti.

O juiz auxiliar da presidência do TRE-MT, Bruno Marques, disse que as chuvas atrapalharam o transporte.

— Por problemas de chuva que complicaram as estradas, os ônibus atrasaram, mas estão todos a caminho. Já estão chegando e as rotas estão sendo obedecidas. Há um total de 19 ônibus para a região de Querência, que atrasaram por questões climáticas e saíram hoje cedo com atraso, e com tratores para abrir a estrada se for preciso. Dois já estão chegando na aldeia Kalapalo — afirmou.