Indígenas guarani-kaiowá denunciam novos ataques a tiros em MS

SALVADOR, BA (FOLHAPRESS) - Indígenas da etnia guarani-kaiowá relataram que sofreram novos ataques neste sábado (16) no território Kurupi, em Naviraí, em Mato Grosso do Sul.

Em um vídeo publicado pela Apib (Associação dos Povos Indígenas do Brasil), indígenas mostram cartuchos de balas no chão e relatam terem sido alvo de disparos. Não há registro de mortos ou feridos.

Em nota divulgada em 1º de julho, a associação Aty Guasu informou que o território Kurupi "está sob forte pressão de pistoleiros misturados com policiais militares e jagunços rurais" e que os indígenas estão sendo intimidados com tiros.

O ataque em Naviraí acontece dois dias depois da morte do indígena Márcio Rosa Moreira, 40, assassinado na última quinta-feira (14) em Amambaí, perto da fronteira com o Paraguai. Ele era um dos principais líderes dos indígenas que disputam a posse de terras na região.

Em junho, Vito Fernandes, também indígena da etnia guarani-kaiowá, morreu a tiros em confronto com policiais do Batalhão de Policiamento de Choque em Amambaí. No mês anterior, o indígena Alex Lopes, 18, foi assassinado na Terra Indígena Taquaperi, em Coronel Sapucaia.

A Associação dos Povos Indígenas do Brasil formalizou denúncias à ONU (Organização das Nações Unidas) e à Comissão Interamericana de Direitos Humanos sobre a escalada de violência no território guarani-kaiowá.

A vítima mais recente foi Márcio Rosa Moreira, que foi encontrado morto a tiros em uma casa em construção no Residencial Anali, em Amambaí.

A Polícia Civil e a Perícia Criminal foram acionadas e estiveram no local, que foi periciado. O corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal.

De acordo com a Polícia Civil, dois trabalhadores da construção civil afirmaram ter presenciado o crime e prestaram depoimento.

Os dois disseram que Márcio chegou ao local em uma moto, com um outro homem na garupa, onde se encontraram com outros dois homens. Após alguns minutos de conversa, Márcio foi atingido por disparos de arma de fogo e os autores dos tiros fugiram.

Ainda de acordo com a Polícia Civil, uma tia de Márcio disse que ele teria sido contratado para realizar um serviço de pedreiro no local.

Indígenas apontaram como autor do crime um preso que cumpre pena no regime semiaberto, em Amambaí. O suspeito foi interrogado, entregou o celular para ser periciado e foi liberado.

A Polícia Civil informou que instaurou inquérito para apurar os fatos e ouviu três testemunhas e intimou outras pessoas a prestarem esclarecimentos.

No mês passado, outro indígena da etnia guarani-kaiowá morreu a tiros e pelo menos outros sete indígenas ficaram feridos em confronto com policiais do Batalhão de Policiamento de Choque em Amambaí.

O embate que terminou na morte de Vito Fernandes, 42, aconteceu em área reivindicada pela comunidade como pertencente à aldeia.

Na ocasião, cerca de 30 guarani-kaiowá entraram, à noite, na Fazenda Borda da Mata, reivindicada por eles como sendo parte da aldeia Amambaí, no território denominado Guapoy. O dono da fazenda acionou a Polícia Militar, que enviou uma tropa especial à região no dia seguinte;

O governo de Mato Grosso do Sul afirmou que três policiais também ficaram feridos na ação e negou que tenha enviado a tropa especial da Polícia Militar para fazer reintegração de posse, já que isso seria competência da Polícia Federal.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos