Indígenas pedem "asilo" norueguês para árvore brasileira

·1 minuto de leitura
Jatobá, originário da Amazônia, é plantado na embaixada da Noruega em Brasília

BRASÍLIA (Reuters) - Indígenas da Amazônia entregaram nesta terça-feira um jatobá à embaixada da Noruega em Brasília e pediram o status de "refugiada" para a árvore, em um protesto simbólico contra a destruição da floresta amazônica.

O protesto ocorreu no mesmo dia em que o presidente Jair Bolsonaro discursou na Assembleia-Geral da ONU e defendeu o que descreveu como a luta de seu governo contra o desmatamento --o que é contestado por ambientalistas.

O ato em Brasília foi realizado pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib). Sonia Guajajara, líder da Apib, pediu ajuda da Noruega para salvar a árvore e a floresta amazônica, dizendo que o país nórdico foi o único do mundo que proibiu o desmatamento totalmente em seu território.

“Hoje a Amazônia se tornou uma zona de guerra, 90% do desmatamento é ilegal”, disse ela, pedindo um boicote aos produtos que contribuem para o desmatamento no Brasil.

Bolsonaro, que defende a exploração econômica da floresta amazônica para mineração e agropecuária, tem sido criticado pelo aumento do desmatamento sob seu governo.

Na ONU, ele disse que as leis ambientais brasileiras são um modelo para o mundo e prometeu acabar com o desmatamento ilegal, embora grupos ambientalistas tenham recebido seu discurso com ceticismo.

A embaixada da Noruega em Brasília abriu suas portas para o jatobá levado pelos indígenas em um caminhão, e a árvore foi plantada no terreno da representação diplomática.

(Reportagem de Ueslei Marcelino e Anthony Boadle)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos