Indústria farmacêutica faz acordo com trabalhadores para exigir comprovante de vacina

·1 minuto de leitura
**ARQUIVO***SÃO PAULO: Retrato de Nelson Mussolini, presidente do Sindusfarma (Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos). (Foto: Karime Xavier/Folhapress)
**ARQUIVO***SÃO PAULO: Retrato de Nelson Mussolini, presidente do Sindusfarma (Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos). (Foto: Karime Xavier/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Indústria farmacêutica e trabalhadores assinaram acordo nesta sexta (9) para exigir comprovante de vacinação dos profissionais do setor.

Conforme a medida, definida entre Sindusfarma (sindicato patronal) e as federações Fequimfar e Fetquim (de trabalhadores das indústrias químicas e farmacêuticas), para quem não puder se vacinar devido a alguma avaliação médica, a orientação é que as empresas busquem alternativas como home office e adequação do local de trabalho.​​

Foi um termo aditivo à convenção coletiva de trabalho da categoria para apoiar a imunização contra a Covid-19. "A indústria farmacêutica, que trouxe a saúde para o Brasil, não podia aceitar que seus trabalhadores colocassem seus colegas em risco. Vacina é saúde", diz Nelson Mussolini, presidente do Sindusfarma.

Segundo Sergio Luiz Leite, presidente da Fequimfar, a medida também vai ajudar a mapear a incidência da vacinação no setor.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos