Indústria farmacêutica pede revisão em teto de preço de remédio para evitar desabastecimento

·1 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Representantes da indústria farmacêutica afirmam que o risco de desabastecimento, que já ameaça a dipirona injetável para tratamento hospitalar, pode se espalhar sobre outros medicamentos.

O setor tem dito que a causa da escassez do analgésico está ligada à disparada dos custos de produção, que chegaram a um patamar capaz de desestimular a indústria, além do peso do câmbio sobre o insumo importado.

Eles defendem uma revisão na política de preços, hoje regulados pela CMED (Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos), que impõe teto ao valor dos produtos.

Relatos de escassez de outros medicamentos em hospitais, como estimulantes musculares e anti-inflamatórios, contribuem para o aumento da pressão.

Segundo Reginaldo Arcuri, presidente da FarmaBrasil (associação do setor), a defasagem nos preços atinge especialmente os medicamentos mais antigos, que carregam distorções de muitos anos. O cenário todo, segundo ele, também inibe investimentos em inovações.

Arcuri argumenta que a liberação dos preços favoreceria uma queda natural dos valores guiada pela própria concorrência.

Diferentemente do que tem acontecido em hospitais, a dipirona vendida para o consumidor final nas farmácias em outros formatos como os comprimidos não registrou problema de produção, segundo o Sindusfarma (sindicato da indústria). Isso porque essa categoria de medicamento, isento de prescrição médica, é livre do controle de preços, ou seja, a própria indústria é quem define o valor cobrado, segundo Nelson Mussolini, presidente da entidade.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos