Independentes e oposição querem que decisões na CPI da Covid ocorram por votações

·1 minuto de leitura
Reunião da CPI da Covid no Senado

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - Os integrantes do grupo chamado de G7 da CPI da Covid no Senado devem se reunir no domingo para definir a linha de investigação e defendem que as decisões da comissão sejam tomadas por meio de votações nominais, e não por acordos e decisões simbólicas, afirmaram nesta sexta-feira o relator, Renan Calheiros (MDB-AL), e o vice-presidente, Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Para ambos, é necessário que se faça "o exercício da maioria" na comissão. Randolfe assegurou, ainda, que o chamado G7 permanecerá unido e não conta apenas com 7 integrantes, mas também suplentes que têm prestado contribuições.

Na mesma linha, Renan afirmou que o que se convencionou chamar de G7 era um retrato "circunstancial".

"De lá para cá não tivemos mais oportunidade para testar maioria", disse o relator, defendendo que as deliberativas se deem por meio do voto.