Indiana diz ter recebido proposta de casamento do príncipe Harry e pede sua prisão na Justiça

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Príncipe Harry teve a prisão solicitada por uma indiana - Foto: AP
Príncipe Harry teve a prisão solicitada por uma indiana - Foto: AP

 

  • Indiana pediu a prisão do príncipe Harry por alegar ter sido pedida em casamento por ele

  • A mulher entrou na Justiça cobrando, também, que o membro da realeza seja forçado a casar com ela

  • Tribunal negou o pedido e se mostrou solidário à indiana

Uma indiana entrou na Justiça pedindo a prisão do príncipe Harry. Ela alega que foi pedida em casamento pelo integrante da realeza do Reino Unido e, agora, cobra que ele cumpra a proposta.

Palwinder Kaur explicou que conheceu o suposto príncipe pela internet. Após o relacionamento on-line evoluir, o homem pediu sua mão em casamento.

Leia também

Sem imaginar que estava sendo vítima de um impostor, a mulher entrou na Justiça exigindo que Harry seja forçado a casar com ela “sem demora”. Ela também solicitou que um mandado de prisão internacional seja emitido para deter o príncipe, que já é casado com Meghan Markle.

Trecho da petição de Palwinder Kaur - Foto: Reprodução
Trecho da petição de Palwinder Kaur - Foto: Reprodução

"Esta petição é para iniciar uma ação judicial contra o Príncipe Harry Middleton filho do Príncipe Charles Middleton residente no Reino Unido", diz o texto, errando o nome da família e sem perceber que Harry vive atualmente nos Estados Unidos. "E para instruir a Polícia do Reino Unido a agir contra ele, pois, apesar da promessa de casamento com a peticionária, a referida promessa não foi cumprida."

Tribunal nega pedido

Como era de se esperar, o tribunal responsável pelo caso negou o pedido de Palwinder por considerar que a mulher não provou ter conversado com o verdadeiro príncipe Harry. Na decisão, a corte alertou a indiana sobre os perigos de acreditar nas pessoas que conhece pela internet.

"Este tribunal pode apenas demonstrar simpatia por ela, que acreditava que a conversa falsa fosse verdadeira", diz a decisão.