Indicação de chefe da CIA para secretário de Estado dos EUA enfrenta mais oposição democrata no Senado

Por Patricia Zengerle
Mike Pompeo durante audiência em comitê do Senado dos EUA 12/4/2018 REUTERS/Leah Millis

Por Patricia Zengerle

WASHINGTON (Reuters) - O democrata mais graduado do Comitê de Relações Exteriores do Senado dos Estados Unidos disse nesta quarta-feira que se oporá à indicação presidencial de Mike Pompeo para secretário de Estado, o que torna improvável que ele receba o apoio do comitê antes de o Senado votar.

O senador Robert Menéndez criticou o governo do presidente Donald Trump e Pompeo, atual diretor da CIA, em particular por não terem visão estratégica em sua abordagem da política externa como um todo. Ele também repreendeu Pompeo por não revelar sua viagem recente à Coreia do Norte em reuniões com parlamentares.

    "Acredito que o principal diplomata de nossa nação deve ser franco, e o que é mais sério, seus sentimentos passados não refletiram os valores de nossa nação e não são aceitáveis no principal diplomata de nossa nação", disse Menéndez em um discurso no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais.

    "E é por isso... que votarei 'não' para que o diretor não seja nosso secretário de Estado", afirmou.

    Pompeo, atualmente no comando da Agência Central de Inteligência dos EUA, ainda pode ser confirmado pela totalidade do Senado sem o apoio do comitê.

    Mas ele seria o primeiro indicado a secretário de Estado, ao menos desde que tal votação foi tornada pública em 1925, a não receber o endosso do organismo. Seus apoiadores dizem acreditar que, na melhor das hipóteses, ele será confirmado no Senado por uma pequena margem.

    O apoio do comitê e do Senado assinalaria ao mundo que o novo chefe da diplomacia de Trump também tem o apoio do Congresso, segundo seus apoiadores.