Indicação de 'Democracia em vertigem' ao Oscar polariza redes sociais: 'ficção e fantasia', publicou PSDB

RIO — A indicação do filme "Democracia em vertigem" da diretora Petra Costa ao Oscar de melhor documentário, nesta segunda-feira, polarizou as redes sociais. Perfis de direita ironizaram a nomeação do longa que traça um panorama das condições políticas que levaram ao impeachment de Dilma Rousseff a partir do olhar pessoal de Petra. Já perfis mais alinhados ao campo da esquerda comemoram a indicação.

O perfil oficial do PSDB no Twitter ironizou a conquista da cineasta brasileira: "Parabéns à diretora Petra Costa pela indicação de melhor ficção e fantasia por Democracia em Vertigem".

Já a conta do ex-presidente Lula comemorou a presença de "Democracia em vertigem" na premiação mais importante da indústria cinematográfica do mundo: "Viva o cinema nacional! A verdade vencerá", postou.

O diretor e apoiador do presidente Jair Bolsonaro, Josias Teófilo, enxergou a escolha como uma mensagem política: "Democracia em Vertigem' vai ganhar o Oscar de documentário. Essa será a mensagem da academia para Bolsonaro, assim como foi o prêmio de Cannes para Bacurau".

Por outro lado, o diretor Kleber Mendonça Filho celebrou a projeção que o longa ganhará com a nomeação, e defendeu o ponto de vista apresentado pela diretora na produção. "A História cínica do Brasil recente para o mundo inteiro ver, em detalhes", escreveu.

A página oficial do Movimento Brasil Livre (MBL), postou uma mensagem dizendo que o filme é "uma farsa gigantesca que ignora milhões de brasileiros que foram às ruas contra o maior escândalo de corrupção da história".

Já o perfil do PT defendeu que o longa mostra os "bastidores do golpe contra a presidenta" Dilma Rousseff assim como "a prisão arbitrária" de Lula.

O filme de Petra Costa concorre com "Indústria americana" (EUA), que é produzido pelo casal Obama, "For sama" (Reino Unido e Síria), "Honeyland" (Macedônia do Norte) e "The cave" (Tailândia e Irlanda). Todas as indicações da categoria são definidas diretamente pela Academia — diferentemente de Melhor Filme Internacional, por exemplo, que têm obras sugeridas pelos países (o Brasil havia indicado "A vida invisível", que ficou fora da pré-lista.