Indicado para o Iphan, Leandro Grass foca na recuperação de obras destruídas por atos golpistas

O deputado distrital e segundo colocado na disputa ao governo do Distrito Federal, Leandro Grass (PV), foi indicado para presidir o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Nesta terça-feira, a nomeação foi confirmada pela ministra da Cultura, Margareth Menezes. Após encontro de ambos, o novo presidente do Iphan disse que a prioridade, no curto prazo, seria a recuperação de obras e patrimônio danificados ou destruídos por golpistas que invadiram as sedes dos três poderes em Brasília, no domingo.

— Nossa primeira preocupação é recuperar as obras, os monumentos e o que mais houver de dano causado pelos atos terroristas desse domingo. Além das edificações, foram destruídas obras de Marianne Peretti, Di Cavalcanti e Alfredo Ceschiatti, que fazem parte do valoroso acervo da nossa capital. Um prejuízo incalculável — disse Grass.

Filiado ao PV, Grass é o primeiro nome da sigla a ocupar um cargo no governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Na semana passada, dirigentes do partido encaminharam ao ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, uma relação de nomes, incluindo Grass, para fazer parte do Executivo.

Sociólogo, o deputado também é mestre em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília (UnB), Gestor Cultural pela Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI) e ex-pesquisador do Observatório de Políticas Públicas Culturais da Universidade de Brasília (OPCULT/UnB). Durante seu mandato na Câmara Distrital, uma de suas bandeiras era a Cultura e o Patrimônio Histórico da capital.

— Um dos nossos próximos objetivos é fortalecer a política do patrimônio cultural, valorizando os quadros técnicos, escutando-os e trabalhando para que o órgão se reestruture, em especial para que haja um plano de carreira para os servidores da cultura — completou o novo presidente do órgão.