Indonésia reenvia mais de 500 contêineres de lixo a seus países de origem

Um funcionário da alfândega da Indonésia mostra resíduos plásticos contaminados de um contêiner no porto internacional de Jacarta

A Indonésia se recusou a receber desde julho 547 contêineres de lixo considerados perigosos ou não conformes com a regulamentação e os encaminhará para seus países de origem, anunciaram as autoridades alfandegárias de Jacarta.

O arquipélago do sudeste asiático intensifica seus controles e dos mais de 2.000 contêineres examinados nos quatro principais portos do país, de julho a setembro, rejeitou 547.

As autoridades do país indicaram que não querem se tornar o depósito de lixo dos países ricos e lembraram que, sob a Convenção de Basileia sobre resíduos perigosos, "os resíduos importados misturados com lixo orgânico ou elementos perigosos devem ser reencaminhados", disse Heru Pambudi, diretor geral da Alfândega.

As autoridades indonésias também multaram três empresas locais por importar resíduos não conformes com a legislação.

Muitos contêineres foram reenviados para a Austrália, segundo as autoridades locais, outros foram devolvidos aos Estados Unidos, Nova Zelândia e países europeus, como Alemanha, França e Bélgica.

A decisão da China de parar de importar resíduos plásticos em 2018 causou um caos no mercado global de reciclagem e forçou os países a encontrar outros destinos para seus resíduos.

Desde então, um grande número de contêineres é enviado ao sudeste asiático, onde as capacidades de reciclagem permanecem limitadas e, frequentemente, o lixo se acumula, queima ou acaba no mar.