Indústria da cannabis na Alemanha cresce com expectativas de legalização

·3 min de leitura
Cannabis Farm Greenhouse.
Plantação de cannabis tem expectativa de crescimento com possível legalização na Alemanha. (Foto: Getty Creative)
  • Possível legalização da cannabis na Alemanha anima indústria no país;

  • Anúncio de possível legalização fez com que empresas do setor tivessem ações dobradas;

  • Por outro lado, intenções do governo com legalização permanecem sob dúvida;

Um anúncio no final do mês passado dos três partidos do novo governo de coalizão da Alemanha de que planejavam legalizar a cannabis animou a indústria da erva no país. Até agora, as intenções exatas do governo permanecem nebulosas: ele diz apenas que permitiria a “venda controlada de cannabis para adultos para fins recreativos em lojas licenciadas”. Não houve mais detalhes, e nenhum calendário para ação legislativa, segundo o Financial Times.

Leia também:

De acordo com o jornal, o plano ainda pode vir a ser um precedente de virada de jogo para o negócio global de cultivo e venda de maconha, que será observado de perto por outros países que estão discutindo com a liberalização de suas leis sobre drogas. Mas a simples sinalização fez com que o preço das ações da Synbiotic, uma empresa líder no crescente setor canabinoide da Alemanha que investe em tudo, desde produtores a pesquisadores e distribuidores, dobrasse com a notícia.

Legalização da cannabis foi um ponto em comum entre coalizão de governo alemã

Para os parceiros da coalizão de governo alemã, o SPD, de centro-esquerda, o FDP, dos libertários, e o partido Verde, a legalização era uma das poucas causas com a qual eles podiam concordar facilmente. Os argumentos fiscais também desempenharam um papel, de acordo com cálculos demonstrados pelo Financial Times.

A descriminalização poderia trazer um benefício líquido para o estado de €4,7 bilhões por ano, incluindo €2,8 bilhões em receitas fiscais e €1,36 bilhão em economias com custas judiciais e policiais, de acordo com um estudo recente da Heinrich Heine University Düsseldorf. Isso faria da Alemanha se juntar a um grupo altamente seleto de países que permitem a venda comercial de cannabis recreativa, sendo os únicos outros Canadá e Uruguai, além de alguns estados dos EUA, e sendo um mercado desconhecido para o resto do mundo.

O anúncio da coalizão desencadeou uma grande onda de interesse no setor. Stefan Langer, fundador da Bavaria Weed, um pequeno produtor, foi destaque no diário Bild Zeitung este mês ostentando uma coroa de folhas de cânhamo e bolsas salientes de botões, com o título: “Eu quero ser o rei da cannabis da Alemanha”, como reproduzido no Financial Times.

No entanto, alguns especialistas alemães ouvidos pelo jornal pedem cautela e apontam para o Canadá, onde a onda de entusiasmo desencadeada pela legalização em 2018 diminuiu rapidamente. Embora 73 empresas de cannabis tenham aberto o capital lá entre 2016-2019, o entusiasmo inicial diminuiu quando o crescimento superou as expectativas.

Por outro lado, um boom e uma queda no estilo canadense são improváveis ​​na Alemanha, no entanto, onde as barreiras à entrada permanecem proibitivamente altas. As empresas conseguiram este ano cultivar cannabis medicinal na Alemanha, onde os médicos têm a liberdade de prescrevê-la de várias formas desde 2017. 

Até agora, porém, apenas três empresas têm licença para cultivar: Demecan, e as subsidiárias alemãs da Aphria e Aurora, ambas do Canadá. Todos as três empresas devem aderir às “boas práticas de fabricação”, um padrão internacionalmente aceito para produtos farmacêuticos, embora alguns especialistas ouvidos pelo Financial Times digam acreditar que essas boas práticas não são apropriadas para "ervas recreativas".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos