Inelegível, Wilson Witzel diz que reverterá decisão do TRE e promete linha 3 do metrô

Witzel também prometeu construir a linha 3 do metrô e fazer melhorias no transporte (Luis Alvarenga/Getty Images)
Witzel também prometeu construir a linha 3 do metrô e fazer melhorias no transporte

(Luis Alvarenga/Getty Images)

  • Wilson Witzel diz que processo de impeachment será anulado e que poderá ser eleito;

  • Ex-governador do RJ perdeu o mandato e se tornou inelegível em 2021 por crime de responsabilidade;

  • Ainda assim, ele se candidatou para as eleições deste ano, mas teve a candidatura indeferida.

O ex-governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PMB), garantiu nesta quinta-feira (15) que o processo de impeachment que sofreu será anulado e que já entrou com recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para reverter a decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) que indeferiu sua candidatura.

Acusado de cometer crime de responsabilidade na gestão de contratos de Saúde durante a pandemia, Witzel perdeu definitivamente o mandato em abril de 2021 e foi proibido de exercer cargos públicos por 5 anos. Mesmo assim, ele se candidatou ao governo neste ano.

"O recurso já foi submetido ao Tribunal Superior Eleitoral. Nós também estamos recorrendo das decisões do Tribunal de Justiça. Os meus processos criminais contra mim foram anulados. Eu não tenho ação de improbidade contra mim. O processo de impeachment é nulo", afirmou em entrevista ao RJ1, da TV Globo.

Witzel também prometeu, caso eleito, fazer a Linha 3 do metrô, expandir os transportes e criar um Bilhete Único de aproximadamente 10 horas. "Não é só construir a Linha 3 do metrô, não é só fazer o buraco da Gávea ser esvaziado. É preciso fazer um grande programa de mobilidade urbana”, defendeu. “Nós queremos fazer o Bilhete Único da Região Metropolitana no valor de R$ 10, no maior prazo possível, de aproximadamente 10 horas, e isso integraria todos os modais. Com isso, a população vai ter mais conforto. E nós queremos gerar não só a Linha 3, mas a aproximadamente 400 km de trilhos no estado do Rio de Janeiro”.

Ao ser questionado sobre o porquê de não ter tirado o projeto de ligar Niterói a São Gonçalo do papel, o ex-governador alegou não ter tido “tempo suficiente”. “Infelizmente foi um golpe de estado. E eu não pude concluir os meus programas de governo, dentre eles o programa da mobilidade urbana, conforme determina a Lei Nacional de Mobilidade Urbana".

Apesar das decisões do TRE-RJ, Witzel garantiu “ser elegível” e disse que vai “continuar defendendo os nossos programas e defendendo a política para o estado do Rio de Janeiro, que nós começamos em 2019 e que já estava sendo bem-sucedida”.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente: