Infecção mais longa por Covid durou 16 meses, até a morte de paciente britânico

·2 min de leitura

Um paciente com covid-19 no Reino Unido testou positivo por 16 meses até a sua morte, o caso de infecção mais longo já conhecido – é o que revela um estudo sobre a evolução do vírus em pacientes imunossuprimidos, divulgado nesta sexta-feira (22).

O paciente, cuja identidade não foi divulgada, testou positivo pela primeira vez em meados de 2020 e tinha problemas respiratórios. Ele continuou dando positivo em todos os testes (cerca de 45) até a sua morte, 505 dias depois, disse à AFP Gaia Nebbia, coautora do estudo.

Trata-se do caso mais longo de infecção por covid-19 conhecido até o momento, segundo um comunicado do Congresso Europeu de Microbiologia e Doenças Infecciosas, que acontece de 23 a 26 de abril e onde será apresentado a pesquisa completa.

Conduzido por pesquisadores da King's College London e do Guy's and St Thomas' Hospital, em Londres, o estudo analisou nove pacientes imunodeprimidos com infecção persistente pelo vírus entre março de 2020 e dezembro de 2021. Todos deram positivo por pelo menos oito semanas, e dois, por mais de um ano. Dos nove pacientes, quatro morreram, e quatro foram curados. Um nono paciente continuava infectado no início de 2022, 412 dias após o primeiro teste positivo.

Fragilidade de pacientes imunossuprimidos

"Os pacientes imunossuprimidos com infecção persistente têm pouca chance de sobrevivência, e são necessárias, urgentemente, novas estratégias de tratamento para deter a sua infecção", alertou Nebbia.

Segundo estimativas do Escritório de Estatísticas Nacionais (ONS, na sigla em inglês) divulgadas nesta sexta, 38,5 milhões de pessoas tiveram Covid-19 na Inglaterra entre o fim de abril de 2020 e meados de fevereiro de 2022, ou seja, 70% da população.

Com informações da AFP


Leia mais

Leia também:
Grupo contra vacinas e restrições sanitárias planejava ataques e sequestros na Alemanha
Covid-19 isola ainda mais a Coreia do Norte do resto do mundo
Xangai anuncia primeiras mortes por ômicron e China não vai relaxar estratégia “zero covid”

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos