Infecções por Covid-19 na China atingem recorde e perspectivas econômicas pioram

Proteção contra Covid-19 em Pequim

Por Bernard Orr e Martin Quin Pollard

PEQUIM (Reuters) - A China registrou um recorde de infecções por Covid-19 nesta quinta-feira, com cidades em todo o país impondo lockdowns, testes em massa e outras restrições que estão alimentando a frustração e abalando as perspectivas para a segunda maior economia do mundo.

A nova onda de infecções, quase três anos após o surgimento da pandemia na cidade central de Wuhan, lança dúvidas sobre as expectativas dos investidores de que a China afrouxe sua política rígida de Covid-zero em breve, apesar das recentes medidas mais direcionadas.

A corretora Nomura cortou sua previsão de PIB da China para o quarto trimestre para 2,4% em relação ao ano anterior, de 2,8%, e reduziu sua previsão de crescimento para o ano inteiro de 2,9% para 2,8%, o que está muito aquém da meta oficial da China de cerca de 5,5 % este ano.

"Acreditamos que a reabertura ainda será um processo prolongado com altos custos", escreveu Nomura, também reduzindo sua previsão de crescimento do PIB da China para o próximo ano de 4,3% para 4,0%.

A liderança da China manteve a política de Covid-zero do presidente Xi Jinping, mesmo que grande parte do mundo esteja tentando coexistir com o vírus, dizendo que é necessário salvar vidas e evitar que o sistema médico seja sobrecarregado.

As 31.444 novas infecções locais por Covid-19 na quarta-feira quebraram um recorde estabelecido em 13 de abril, quando o centro comercial de Xangai foi atingido por um lockdown em toda a cidade de seus 25 milhões de residentes que duraria dois meses.

Desta vez, no entanto, os grandes surtos são numerosos e distantes, com os maiores na cidade de Guangzhou, no sul, e em Chongqing, no sudoeste, embora centenas de novas infecções sejam relatadas diariamente em cidades como Chengdu, Jinan, Lanzhou e Xian.

Embora o número oficial de casos seja baixo para os padrões globais, a China tenta erradicar todas as cadeias de infecção, um desafio mais difícil, já que o país enfrenta seu primeiro inverno lutando contra a altamente contagiosa variante Ômicron.

A China começou recentemente a afrouxar algumas normas sobre testes em massa e quarentena, pois procura evitar medidas abrangentes, como lockdowns em toda a cidade.

Em vez disso, as cidades têm usado lockdowns mais localizados e muitas vezes sem aviso prévio. Muitas pessoas em Pequim disseram ter recebido recentemente avisos sobre lockdowns de três dias em seus conjuntos habitacionais.

(Reportagem das redações de Pequim e Xangai)