Inflação é questão global, diz Guedes: ‘preços estão subindo em todo mundo’

·3 minuto de leitura

BRASÍLIA — O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta sexta-feira que a inflação é uma questão global, mas que está sendo endereçada no Brasil. A inflação medida pelo IPCA acelerou e subiu 1,16% em setembro, segundo dados divulgados pelo IBGE. É a maior taxa para o mês em 27 anos, puxada por energia elétrica e combustíveis.

— Os preços estão subindo em todo mundo, a inflação está subindo. Países que tinham zero, agora estão em 4%, 5%. Países que tinham 4%, 5%, agora estão em 8%, 9%. Isso acontece, mas tem de haver resposta política — disse o ministro, discursando em inglês ao participar de evento virtual promovido pelo banco Itaú durante as reuniões de primavera do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Durante sua fala, o ministro citou a aprovação da autonomia do Banco Central e disse que isso será ainda mais importante em ano de eleições.

— Autonomia do BC é um avanço institucional — disse o ministro, que sempre reforça a importância da independência da autarquia para controlar os preços.

A escalada dos preços já faz o brasileiro conviver com uma inflação de dois dígitos — algo que não ocorria desde fevereiro de 2016, quando o indicador chegou a 10,36%. Agora, a alta acumulada em 12 meses é de 10,25%.

O ministro afirmou que os programas sociais precisarão ser reforçados por conta da alta de preços, citando o Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família. Ele voltou a dizer que precisa da aprovação da reforma tributária para financiar o programa.

— Precisamos dizer de onde vem os recursos para o programa social, por isso precisamos da reforma tributária — afirmou.

Guedes disse ainda que o Brasil caminha para uma taxa de crescimento de 4,3% ou 4,4% neste ano. O ministro afirmou que o comércio e os serviços estão voltando com força e que o crescimento da arrecadação e o aumento do consumo de energia reforçam essa percepção.

Ao fazer um balanço do desempenho da economia brasileira nos últimos 12 meses, ele ressaltou o avanço da vacinação contra a covid-19, que alcança 45% da população brasileira, e disse que isso permitiu a volta segura ao trabalho.

Segundo ele, há muito “barulho” político no país, mas é preciso prestar atenção aos sinais, que são de recuperação. A economia brasileira volta a crescer em “V”, repetiu, após cair menos do que as economias avançadas durante a pandemia.

— O Brasil continua crescendo e criando novos empregos, isso é um fato — afirmou.

O ministro afirmou que o país pode crescer 2% neste ano, “um pouco mais um pouco menos”, mas “o crescimento econômico virá”.

— Agora estão rodando as projeções para o ano que vem, de que (o crescimento) será de 0,5%. Vão errar de novo, será muito mais do que isso. Nosso real problema é a inflação, mas o crescimento está vindo. Ainda não sabemos o nível, 2%, poderia ser um pouco mais, um pouco menos, mas estou falando apenas de fatos. Uma coisa é barulho, política, narrativas. Outra coisa são fatos — disse.

Guedes ainda voltou a criticar os economistas brasileiros ao dizer que é preciso mais treinamento em equilíbrio geral para entender o plano do governo.

— Por favor, economistas brasileiros, entendam. Se tivessem mais treinamento em equilíbrio geral, entenderiam nosso plano — afirmou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos