Inflação acelera na Argentina e fecha 2021 em 50,9%

·3 min de leitura
Pessoas sem-teto se abrigam em frente a uma loja para alugar na esquina das ruas de pedestres Florida e Lavalle, no centro de Buenos Aires, em 8 de novembro de 2021 (AFP/JUAN MABROMATA) (JUAN MABROMATA)

O índice de preços ao consumidor na Argentina se acelerou em dezembro, quando registrou 3,8%, fechando a 50,9% em 2021, uma das taxas de inflação mais altas do mundo, informou nesta quinta-feira (13) o estatal Instituto de Estadísticas.

No ano, o preço dos alimentos aumentou 50,3%. Os maiores índices foram os dos restaurantes e hotéis (65,4%) e transporte (57,6%).

A inflação da Argentina em 2020, ano de paralisia da economia devido à pandemia de covid-19, tinha sido de 36,1%. Em 2019, registrou 53,8%.

Para 2022, o governo projetou um índice inflacionário de 33% no orçamento nacional, que acabou sendo rejeitado pelo Parlamento, onde a oposição criticou que os números não são realistas. Segundo pesquisa do Banco Central, a inflação deste ano será de 55%.

"Durante 2021, o governo tentou ancorar a inflação e para isso usou basicamente a regulação do preço das tarifas de serviços públicos e da taxa de câmbio. Embora seja certo que não foi bem sucedido, sem isso a inflação teria sido mais alta", disse à AFP Hernán Fletcher, do Centro de Economia Política Argentina.

Na Argentina vigora desde 2019 um controle do câmbio que se tornou cada vez mais estrito e permite a compra de apenas 200 dólares mensais aos cidadãos na taxa oficial.

- À espera de um acordo -

A Argentina está em negociações com o Fundo Monetário Internacional para alcançar um acordo de facilidades estendidas em substituição ao stand-by de 44 bilhões de dólares, assinado em 2018.

No entanto, o governo do peronista de centro esquerda Alberto Fernández não pôde avançar em um novo acordo por divergências sobre como alcançar o equilíbrio fiscal, segundo o próprio chefe de Estado.

"Para nós, a palavra ajuste está fora de cogitação. Para nós, é preciso crescer. Conseguimos que o déficit primário fosse menor não por menos investimento, mas como resultado do crescimento", disse Fernández na semana passada.

Com reservas internacionais líquidas que os analistas estimam abaixo dos 4 bilhões de dólares e sem acesso aos mercados internacionais de crédito, a Argentina enfrenta pagamentos ao FMI de 19 bilhões de dólares este ano e outros US$ 20 bilhões em 2023, além de US$ 4 bilhões em 2024.

E o tempo urge para conseguir um entendimento que permita adiar estes pagamentos. Já no fim de março se dará o vencimento de quase 3 bilhões de dólares.

"O FMI não vai aprovar nada que o Congresso argentino não tenha aprovado e isso vai depender de que o plano que o governo apresente possa ser cumprido. Um déficit fiscal não é ruim, desde que não seja permanente e possa se financiar", comentou à AFP o analista de mercados Sebastián Maril.

Fernández tem insistido em que é otimista sobre a possibilidade de alcançar um novo acordo com o FMI e até agora descartou que o país possa cair em default.

Mas mesmo assim, os analistas não esperam um alívio imediato do índice de inflação.

"Um acordo com o FMI pode melhorar a economia em termos de expectativas, mas em termos de inflação, não vejo 2022 muito diferente de 2021", avaliou em declarações à AFP o economista Pablo Tigani.

edm-nn/ag/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos