Inflação está a estrangular as classes média e baixa na Grécia

De volta à Grécia.

Mães adolescentes grávidas com um frigorífico vazio.

Reformados com faturas de eletricidade em alta.

Pescadores que deixaram de pescar, por causa do combustível demasiado caro para barcos.

Agricultores que pararam de cultivar, porque não podem pagar fertilizantes nem ração animal.

Mães sozinhas que já não podem pagar um gelado aos filhos.

Jovens sem trabalho que deixaram de ir ao supermercado e fazem fila nas cozinhas de sopa.

No início pensei em ir para os países bálticos. Hoje, os "campeões da inflação da zona euro" estão lá em cima: A Estónia assinala uma inflação de 20%. Mas, pensemos melhor, e: tenhamos em consideração que a Grécia tem uma longa história de situações sombrias: a crise financeira 2008/9, a recente pandemia que atingiu o turismo e, agora, a guerra na Ucrânia, desencadeando consequências de grande alcance também para a Grécia, com a subida em espiral dos preços da energia, da eletricidade e das matérias-primas.

Mães adolescentes grávidas com um frigorífico vazio

Alexandros e Angeliki convidam-me a entrar. Jason, de dois anos de idade, quer tomar conta da minha máquina fotográfica. A sua mãe Angeliki de 19 anos de idade está grávida do seu segundo filho. "O nosso frigorífico está sempre vazio", diz-me Angeliki, enquanto Alexandros caminha para me mostrar. "Não tenho sequer dinheiro para comprar fraldas", lamenta-se Alexandros. Distribuiu 180 candidaturas de emprego, porta a porta. Mas a inflação coloca stress no mercado de trabalho local e ninguém o quer contratar.

Reformados com contas de eletricidade a disparar

Alexandros é voluntário numa cozinha social próxima, distribuindo gratuitamente sopa para quem dela necessita. Kostas Polychronopoulos, o fundador, diz-me: "Muitos pensionistas vêm aqui e trazem-nos as suas contas de eletricidade, pedindo alguma contribuição, para que a eletricidade não seja cortada".

Spyros, 74 anos de idade, aparece: "Há alguns meses atrás, a minha mulher podia encher o carrinho no supermercado sem problemas, mas devido à guerra na Ucrânia a inflação acelerou tanto, que agora é impossível". Normalmente, o casal paga 40 euros por mês pela eletricidade, agora paga 148. O mesmo problema para Manolis: O reformado luta com uma conta de eletricidade de mais de 1400 euros por meio ano.

Agricultores que deixaram de cultivar

Um avião de apoio leva-me até Naxos. A ilha depende do turismo - e da agricultura. Combustível para tratores, fertilizante caro, rações importadas da Bulgária... Muitos agricultores baseados em Naxos enfrentam a ruína, como o criador de gado Stelios Zacharatos.

"Na minha família, somos quatro gerações de criadores de gado", diz-me Zacharatos. "Eu serei o último". A crise transforma-se numa ameaça existencial: Mais de 300 vacas e 30 mil cabras e ovelhas foram abatidas recentemente.

Dos 1200 criadores de Naxos, cerca de 150 poderiam desistir até ao final do ano, se nenhuma ajuda vier de Atenas ou de Bruxelas, alerta o presidente da cooperativa, Dimitris Kapounis. Os custos de bombagem de água subiram de 7 euros por hora para os atuais 30 euros. "E os fertilizantes estão a subir de 300 a 1000 euros por tonelada".

Pescadores que deixaram de pescar

A situação não é melhor para os pescadores. Stamatis Sergis diz-me: "Antes, eu costumava pagar 40 cêntimos pelo combustível para o barco e agora estou a pagar 1,50 euros. Nem sequer posso ganhar 50 euros por dia. Por isso, mantenho o barco ancorado e trabalho noutro emprego". A perspetiva é sombria: "Dentro de dez anos, não haverá mais pescadores".

O governo grego trabalha em programas de apoio: os aumentos de renda foram limitados, as famílias com baixos rendimentos recebem um subsídio para combustível e as pessoas incapazes de pagar as suas contas de eletricidade podem candidatar-se a receber até 600 euros de um esquema de apoio financiado pelo dinheiro dos contribuintes gregos e europeus.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos