Inflação de março pelo INPC é maior para famílias de menor renda

Nielmar de Oliveira - Repórter da Agência Brasil

Em março, alimentos custaram mais para famílias de menor rendaTânia Rêgo/Agência Brasil

A inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), fechou março com variação de 0,32%, resultado 0,88 ponto percentual acima da taxa de fevereiro (0,24%).

Os dados foram divulgados hoje (7), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com o resultado, o INPC, que mede a variação de preços das famílias com rendimento de até cinco salários mínimos, encerrou o mês 0,07 ponto percentual acima do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a variação das famílias de maior renda (até 40 salários), e que fechou março com alta de 0,25%

No resultado acumulado do primeiro trimestre do ano a alta acumulada pelo INPC foi de 0,98%, também superior ao 0,96% do IPCA acumulado no período. No acumulado dos últimos 12 meses, o índice ficou em 4,57%, acima dos 4,69% dos 12 meses imediatamente anteriores. Em março de 2016, o INPC registrou 0,44%.

Alimentos sobem 0,32%

Os produtos alimentícios tiveram alta de 0,32% em março, enquanto em fevereiro registraram queda de 0,53%. O agrupamento dos não alimentícios ficou com variação de 0,32%, abaixo da taxa de 0,59% de fevereiro.

Quanto aos índices regionais, o mais elevado foi o da região metropolitana de Fortaleza (0,64%), onde o item cursos regulares mostrou alta de 8,84%. O menor índice foi o da região metropolitana de Belo Horizonte (0,08%), influenciado pela queda de 2,25% nos combustíveis.

O INPC tem a mesma metodologia de calculo do IPCA, porém abrange um universo de famílias menores (de até cinco salários) e abrange dez regiões metropolitanas, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande e de Brasília.