Inflação na zona euro bate recorde e atinge os 10,7% em outubro

Inflação na zona euro bate recorde e atinge os 10,7% em outubro

Em outubro, a taxa de inflação anual na zona do euro bateu recordes, atingindo os 10,7%, de acordo com uma estimativa divulgada pelo Eurostat.

A confirmarem-se, no final de novembro, as previsões do gabinete de estatística da União Europeia, esta será a primeira leitura da inflação a ultrapassar o limite de 10%.

O aumento foi impulsionado pelos preços da energia, que o Eurostat estima serem 41,9% mais elevados do que no mesmo mês do ano passado. Acredita-se que os preços dos alimentos, do álcool e do tabaco tenham aumentado 13,1% em relação ao ano anterior.

A inflação foi de 9,9% em setembro.

Os estados Bálticos continuam a ser os mais afetados, com a inflação anual a manter-se acima da marca de 20%. A Estónia lidera o grupo com uma estimativa de 22,4%.

França mantém a posição como o país menos afetado, apesar de se prever uma inflação anual para outubro de 7,1%. Itália, cuja taxa anual está prevista em 12,8%, registou o maior aumento mensal, com um salto de 4%.

O Banco Central Europeu (BCE), cujo mandato é manter a inflação na zona do euro perto de 2%, rompeu com mais de uma década de taxas de juros negativas durante o verão numa tentativa de reduzir os aumentos desenfreados dos preços.

Na semana passada, o BCE anunciou o terceiro aumento significativo das taxas de juros.

Os bancos centrais usam as taxas de juro para tornar o dinheiro mais ou menos caro para aumentar ou restringir os gastos, porque influenciam diretamente as taxas que os bancos comerciais oferecem às famílias e às empresas.

O BCE antevê outros aumentos do tipo nos próximos meses porque "a inflação continua muito alta e ficará acima da meta de [2%] para uma versão estendida".

A presidente do BCE, Christine Lagarde, também alertou que a atividade económica na zona do euro provavelmente "desacelerou, de forma significativa, no terceiro trimestre do ano" e disse esperar "um enfraquecimento ainda maior no que resta deste ano e no início do próximo."

A previsão surgiu apenas um dia depois de a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI) fazer a sua própria previsão sombria de que metade dos países da zona do euro poderia entrar em recessão nos próximos meses.

Uma recessão é geralmente definida como dois trimestres consecutivos de crescimento negativo do PIB.

“Só para dar uma ideia de quão significativo é o impacto na Europa, as nossas projeções pré-pandemia e as nossas projeções atuais diferem em meio bilião de euros”, disse Kristalina Georgieva à Euronews.

"Por outras palavras, a perda para os europeus é bastante dramática."

Na última previsão, o FMI estimou que a zona do euro expandiria 3,1% em 2022, mas apenas 0,5% em 2023. No próximo ano, a Alemanha e Itália devem registar taxas de -0,3% e -0,2%, respetivamente.

Isso porque a Europa é particularmente afetada pelo aumento dos preços da energia, explicou Georgieva.

Para o chefe da Agência Internacional de Energia (AIE), “estamos no meio da primeira crise energética verdadeiramente global. O nosso mundo nunca, jamais presenciou uma crise energética com esta profundidade e complexidade”, sublinhou Fatih Birol, em entrevista à Euronews.

Acrescentou que a Europa deve sobreviver ao próximo inverno com apenas algumas "contusões económicas e sociais" e sem grandes danos - desde que "não seja muito longo e muito frio, e se não houver grandes surpresas" - mas alertou que a próxima temporada de inverno pode ser muito mais difícil.

Disse ainda que a falta de gás russo para reabastecer os stocks antes dos meses mais frios, a recuperação económica incerta da China e as condições mais apertadas nos mercados de gás natural liquefeito (GNL), para os quais o bloco se voltou para compensar o défice de gás russo, estão a tornar as perspetivas energéticas da Europa mais negras.