Inflação prejudica retomada do setor de serviços, que recua 0,6% em setembro

·3 min de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL, 24-04-2021: Movimento em bar que fica na rua Aspicuelta, na Vila Madalena. (Foto: Eduardo Anizelli/ Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL, 24-04-2021: Movimento em bar que fica na rua Aspicuelta, na Vila Madalena. (Foto: Eduardo Anizelli/ Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O volume do setor de serviços no Brasil contrariou projeções de analistas e teve queda de 0,6% em setembro, frente a agosto, informou nesta sexta-feira (12) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Foi a primeira baixa do setor após cinco meses de crescimento. Na comparação com setembro de 2020, quando a pandemia provocava mais restrições a atividades econômicas, houve alta de 11,4%.

Os resultados vieram abaixo das expectativas do mercado. Analistas consultados pela agência Bloomberg projetavam avanço de 0,5% no mês e de 13,5% na comparação anual.

Segundo o IBGE, quatro das cinco atividades investigadas pela pesquisa tiveram baixa em setembro, frente a agosto. O destaque negativo ocorreu no ramo de transportes (-1,9%).

Nessa atividade, houve o efeito do aumento dos preços das passagens aéreas, indicou o instituto.

"O principal impacto negativo nessa queda do setor de serviços veio dos transportes, que foram influenciados pelas quedas no transporte aéreo de passageiros, devido à alta de 28,19% no preço das passagens aéreas, no transporte rodoviário de cargas e também no ferroviário de cargas", apontou Rodrigo Lobo, gerente da pesquisa do IBGE.

As demais atividades que recuaram no período foram outros serviços (-4,7%), informação e comunicação (-0,9%) e serviços profissionais, administrativos e complementares (-1,1%).

Segundo Lobo, a inflação ainda não afeta tanto o setor de serviços como um todo, na comparação com segmentos como a indústria e o comércio.

A alta dos preços de serviços, frisou Lobo, ainda é menor do que a inflação de maneira geral e mais concentrada em itens específicos, como as passagens aéreas.

Contudo, a partir da retomada dos serviços prestados às famílias, como bares, restaurantes e hotéis, o efeito inflacionário pode abalar a recuperação do setor, segundo o analista.

Ou seja, o avanço dos preços pode virar um desafio maior nos próximos meses.

A atividade de serviços prestados às famílias (1,3%) foi a única a avançar na passagem de agosto para setembro. Mesmo assim, está 16,2% abaixo do patamar pré-pandemia, de fevereiro de 2020.

"A pressão inflacionária pode vir a trazer algum tipo de consequência negativa aos serviços prestados às famílias", disse Lobo.

As empresas dessa atividade foram afetadas em cheio pelas restrições na crise sanitária. O baque ocorreu porque os negócios dependem da circulação de pessoas e do contato direto com clientes.

Com a vacinação contra a Covid-19, as restrições ficaram menores, e há um estímulo para a volta das empresas.

Segundo o IBGE, mesmo com a queda em setembro, o setor de serviços como um todo ainda acumula alta de 11,4% no ano, de janeiro a setembro. Em período maior, de 12 meses, o avanço é de 6,8%.

O setor de serviços está 3,7% acima do patamar pré-pandemia, de fevereiro do ano passado. Em agosto de 2021, a diferença frente ao pré-crise era maior, de 4,3%.

Conforme Lobo, a recente sequência de altas acabou elevando a base de comparação, o que também ajuda a explicar a perda de ritmo de parte das atividades em setembro.

O índice de atividades turísticas, por sua vez, avançou 0,8% na comparação com agosto, informou o IBGE. Foi a quinta taxa positiva consecutiva, e o ganho no período foi de 49,9%.

Apesar do resultado, o segmento de turismo ainda está 20,4% abaixo do patamar de fevereiro do ano passado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos