Influenciador nigeriano que ostentava jatos e relógios nas redes é condenado a 11 anos de prisão nos EUA

Um influenciador nigeriano chamado Ramon Abbas, também conhecido por seu apelido "Hushpuppi", foi condenado a 11 anos de prisão por lavagem de dinheiro e fraude na internet, conforme comunicado da Procuradoria dos EUA no Distrito Central da Califórnia divulgado nesta segunda-feira. Em seu perfil no Instagram, Abbas ostentava viagens, jatinhos particulares, carros de luxo e roupas e relógios de grife.

O influenciador também foi condenado a pagar US$ 1,7 milhão em restituição a duas vítimas de fraude.

Em janeiro de 2019, Abbas lavou dinheiro roubado de um banco em Malta. Os EUA haviam acusado hackers norte-coreanos de cometerem o roubo cibernético e alegaram que esses fundos eram destinados ao governo da Coreia do Norte.

Segundo a Procuradoria dos EUA, o influenciador também induziu “fraudulentamente” um escritório de advocacia com sede em Nova York a transferir mais de US$ 900 mil para uma conta que alguém controlava em nome de outra pessoa, em outubro de 2019.

Desde junho de 2020, depois de ser preso em Dubai e expulso dos Emirados Árabes Unidos, Abbas está retido sob custódia federal nos EUA. Na época, suas postagens nas redes sociais acabaram chamando a atenção dos investigadores e foram usadas como prova para estabelecer as acusações contra ele. Em 2021, ele se declarou culpado em uma das acusações de lavagem de dinheiro.

"Abbas se gabou nas redes sociais sobre seu estilo de vida luxuoso – um estilo de vida financiado por seu envolvimento em fraudes transnacionais e conspirações de lavagem de dinheiro visando vítimas em todo o mundo", disse Martin Estrada, procurador dos EUA.

"Lavagem de dinheiro e fraudes de comprometimento de e-mail comercial são um enorme problema de crime internacional, e continuaremos trabalhando com nossas autoridades e parceiros internacionais para identificar e processar os envolvidos, onde quer que estejam", concluiu Estrada.