Inquérito isenta de culpa policial que matou manifestante na invasão do Capitólio

·2 minuto de leitura
Apoiadores de Donald Trump entram em confronto com a polícia e as forças de segurança durante a apreensão do Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro.

O policial americano que matou uma mulher durante a invasão do Congresso por partidários do então presidente Donald Trump em 6 de janeiro agiu de acordo com as regras, concluiu uma investigação interna, disse a Polícia do Capitólio nesta segunda-feira (23).

O oficial, que não foi identificado para sua segurança, atirou na manifestante Ashli Babbit, uma veterana da força aérea de 35 anos e apoiadora de Trump de San Diego, Califórnia, que viajou à capital para protestar contra a certificação de vitória do democrata Joe Biden.

"Depois de entrevistar várias testemunhas e analisar as evidências disponíveis, incluindo chamadas de rádio e vídeo", o Gabinete de Responsabilidade Profissional da Polícia do Capitólio determinou que o comportamento do oficial foi legal e de acordo com a política do departamento de que um oficial pode usar força letal quando acreditar que a ação tem como objetivo proteger a vida humana, incluindo a sua própria".

O policial não estará sujeito a medidas disciplinares internas, segundo um comunicado.

O agente e sua família receberam “várias ameaças críveis e concretas” devido a um acontecimento ocorrido “no âmbito do trabalho de todos os nossos agentes: a defesa do Congresso, dos seus membros, do seu pessoal e do processo democrático”.

A polícia diz que as ações do policial "potencialmente salvaram membros (do Congresso) e funcionários de ferimentos graves e eventual morte" em face de "uma grande multidão de manifestantes".

A polícia diz que as ações do policial "potencialmente salvaram membros e funcionários (do Congresso) de ferimentos graves e eventual morte" em face de "uma grande multidão de manifestantes".

Para muitos apoiadores de Trump, Babbitt é um mártir. Sua morte foi descrita como assassinato pelo próprio ex-presidente, que encorajou seus partidários a impedirem o Congresso de certificar a vitória de seu rival nas eleições presidenciais de novembro.

"Falei com a mãe maravilhosa e marido dedicado de Ashli Babbitt, que foi assassinada nas mãos de alguém que nunca deveria ter puxado o gatilho de sua arma", disse ele em um comunicado de 11 de agosto.

Centenas de manifestantes pró-Trump invadiram o Congresso em 6 de janeiro tentando impedir a certificação de Biden. Desde então, quase 600 pessoas foram presas por seu papel no ataque mortal.

pmh/ad/lda/ap/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos