Inspetores da ONU se aproximam de usina nuclear ucraniana em missão para evitar acidente

Diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi, concede entrevista após chegar a Zaporizhzhia

Por Tom Balmforth

ZAPORIZHZHIA, Ucrânia (Reuters) - Inspetores da Organização das Nações Unidas (ONU) chegaram nesta quarta-feira à cidade de Zaporizhzhia, no sul da Ucrânia, em uma missão para evitar um acidente nuclear em uma usina de energia ocupada pela Rússia, onde bombardeios nas proximidades provocaram temores globais de desastre.

A equipe da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) chegou à cidade que fica a 55 quilômetros da usina, onde provavelmente passaria a noite antes de chegar à instalação na quinta-feira.

Embora as autoridades instaladas pela Rússia tenham sugerido que a visita pode durar apenas um dia, a AIEA e as autoridades ucranianas indicam que os inspetores ficarão por mais tempo.

"A missão levará alguns dias. Se conseguirmos estabelecer uma presença permanente, ou uma presença contínua, será prolongada. Mas este primeiro segmento levará alguns dias", disse o chefe da AIEA, Rafael Grossi, a repórteres em Zaporizhzhia.

"É uma missão que visa evitar um acidente nuclear", afirmou.

A Rússia capturou a usina nuclear, a maior da Europa, no início de março e sua força militar está lá desde então, assim como a maioria da força de trabalho ucraniana que trabalha para manter em operação a instalação, que tradicionalmente abastecia a Ucrânia com 20% de suas necessidades de eletricidade.

Combates foram relatados perto da usina e mais longe nesta quarta-feira, com Kiev e Moscou reivindicando sucessos no campo de batalha em meio a uma contra-ofensiva ucraniana para recapturar território no sul.

A Ucrânia repeliu as tentativas russas de ataque na direção de Bakhmut e Avdiivka, duas cidades localizadas ao norte da cidade de Donetsk, ocupada pela Rússia, disse o Estado-Maior de suas Forças Armadas nesta quarta-feira. Tropas pró-Moscou se concentraram em Bakhmut em seu esforço para estender o controle sobre a região de Donbas, afirmou.

A Reuters não pôde verificar tais relatórios de forma independente.

Longe da Ucrânia, a Rússia interrompeu o fornecimento de gás através da principal rota de abastecimento da Europa nesta quarta-feira, intensificando uma batalha econômica entre Moscou e Bruxelas que pode levar à recessão e ao racionamento de energia em alguns dos países mais ricos do continente.

A vizinha Estônia anunciou planos para impedir a maioria dos russos de entrar no país dentro de semanas, se possível agindo em conjunto com seus parceiros regionais, depois que a UE estava dividida demais para concordar com uma proibição geral.

A Rússia diz que está realizando uma "operação militar especial" para livrar a Ucrânia de nacionalistas e proteger as comunidades de língua russa.