INSS tem fila de espera de 5 milhões por 'desmonte do governo Bolsonaro', diz Lula

Lula se referiu ao número de pessoas que aguardam na fila para uma análise do INSS há mais de 45 dias. (Foto: Horacio Villalobos#Corbis/Corbis via Getty Images)
Lula se referiu ao número de pessoas que aguardam na fila para uma análise do INSS há mais de 45 dias. (Foto: Horacio Villalobos#Corbis/Corbis via Getty Images)
  • Equipe de transição de Lula encontra situação “caótica” na fila de espera de análise do INSS;

  • Presidente eleito aponta desmonte promovido pela gestão de Bolsonaro no instituto dos aposentados e pensionistas;

  • Em vídeo, presidenta nacional do PT fala em “herança maldita” de Bolsonaro nas contas públicas.

Luiz Inácio Lula da Silva (PT), presidente eleito, afirmou que o governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) promoveu um "desmonte" que causou uma fila de espera de 5 milhões de pessoas no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O problema ficará como “herança” para a próxima gestão.

“O desmonte promovido pelo atual governo deixou como herança uma fila de 5 milhões de pessoas esperando análise do INSS. Teremos muito trabalho pela frente e temos um compromisso com o povo brasileiro”, escreveu Lula no Twitter nesta quinta-feira (1º de dezembro). O petista trabalha na transição para o seu terceiro mandato presidencial.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Segundo informações divulgadas no site oficial do PT, o número mencionado por Lula se refere a cerca de 5 milhões de processos que estão há mais de 45 dias aguardando análise do INSS.

A situação, descrita como “caótica”, foi verificada pelos integrantes do Grupo Técnico (GT) da Previdência Social do Gabinete de Transição de governo, que fazem o diagnóstico da situação no instituto.

“Herança maldita”

Na quarta-feira (30 de novembro), a presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), afirmou, em vídeo, que o Bolsonaro “foi criminoso” e “irresponsável” com as contas públicas durante os quatro anos de gestão.

“Esse é um dos governos com maior gastança que nós já vimos no processo histórico recente da nossa democracia. Muito gasto, muito dinheiro executado. E muito mal gasto, muito mal-executado. Quer dizer, essa gente foi muito irresponsável. O que fizeram com o Estado brasileiro é criminoso”, disse Gleisi, que ocupa a coordenação de articulação política na transição de governo.

No material, a líder petista fala em “herança maldita” e explica que os problemas orçamentários devem ser enfrentados pela próxima gestão.