Instagram oculta 'likes' de alguns de seus usuários

Por Holly ROBERTSON
Instagram anuncia recurso que permite que os usuários denunciem postagens com informações falsas.

O Instagram começou nesta quinta-feira a ocultar os "likes" de suas plataformas no Brasil ou na Austrália, e em outros grandes mercados, com o objetivo de reduzir a pressão sobre seus usuários, cuja saúde mental pode ser afetada por esse tipo de avaliação.

Os usuários em seis países do Instagram, pertencente ao gigante Facebook, não poderão mais ver o número de "curtidas" que recebem de outras pessoas.

"Queremos que o Instagram seja um lugar de expressão pessoal onde as pessoas se sintam confortáveis", disse Mia Garlick, diretora do Facebook e da Nova Zelândia, em comunicado.

"Esperamos que esta decisão tire a pressão sobre quantos 'curtidas' serão recebidas, para que as pessoas possam se concentrar em compartilhar as coisas que desejam".

Brasil, Austrália, Itália, Irlanda, Japão e Nova Zelândia são os países onde esta nova política será testada, e que já começou no Canadá desde maio.

O Instagram garante que essa política de ocultar as "curtidas" tem um valor de avaliação, embora ainda não tenha especificado sua duração.

O Instagram, que tem mais de 1 bilhão de usuários em todo o mundo, é uma plataforma onde são postadas imagens e vídeos que outros usuários podem comentar ou avaliar com um "curtir" com um coração.

Mas nos países onde esse teste é realizado, os 'likes' não serão visíveis nos perfis dos usuários do Instagram.

Para que eles possam ver quantos 'likes' geraram, precisarão clicar em outra página.

As redes sociais têm sido objeto de alertas sobre o impacto que podem causar em seus usuários.

Alguns estudos sugerem que o Instagram pode afetar negativamente a saúde mental de seus jovens usuários.

Em 2017, um relatório da Royal Society for Public Health do Reino Unido classificou o Instagram como a pior rede social para a saúde mental de jovens usuários no país.