Instalação de karaokê e jogos em penitenciária na Coreia do Sul gera polêmica

Extra
·2 minuto de leitura
Karaokê em penitenciária na Coreia do Sul gerou polêmica
Karaokê em penitenciária na Coreia do Sul gerou polêmica

A disposição de uma sala de karaokê para detentos de uma prisão na Coreia do Sul vem sendo alvo de polêmica. Diante das críticas de boa parte da população, que já criou um abaixo-assinado contra a nova "sala de cura para o corpo e a mente" do centro correcional de Jeonju, os oficiais avaliam o fechamento da atividade, inaugurada há apenas três dias, segundo a imprensa local. Aqueles que foram condenados à morte ou que sofrem de problemas psiquiátricos têm prioridade na utilização da sala.

A emissora "SBS News" informou que o objetivo da empreitada era aliviar o estresse nos prisioneiros, servindo como uma espécie de terapia para ajudar a estabilidade física e mental deles. No local, há três espaços de karaokê, além de duas máquinas do jogo "golpeie uma toupeira". Foram necessários três meses para a sala ficar pronta. A iniciativa estava para sair do papel desde o início do ano. O custo foi estimado em 50 milhões de wones (R$ 254 mil).

"Eu sei que as críticas à sala de cura do corpo e da mente são muitas e é uma pena que sejam diferentes da intenção original, mas estamos considerando encerrá-la porque não podemos deixar de levar em conta o sentimento do público", afirmou um oficial da prisão nesta sexta-feira, dia 30. "Não decidimos imediatamente, mas vamos passar pelo processo por meio de discussões com os departamentos relevantes e conselhos correcionais (que apoiaram a instalação)."

Os responsáveis negaram que as atividades tenham sido empregadas visando ao entretenimento dos detentos e ressaltaram que outros programas, como atividades religiosas, foram suspensos devido à pandemia da Covid-19.

"A prisão deve ser um período doloroso para os criminosos se arrependerem de seu comportamento, não um momento de cantar e dançar. Imagine como as vítimas e suas famílias se sentiriam a respeito disso", afirma o autor da petição que pede o fechamento da sala com os aparelhos de karaokê na penitenciária, segundo o portal de notícias "Korea Times".