Intel exclui referência a Xinjiang após reação na China

·1 min de leitura

Por Beijing Newsroom

PEQUIM (Reuters) - A Intel excluiu referências a Xinjiang de uma carta anual aos fornecedores depois que a empresa enfrentou uma reação na China por pedir aos fornecedores que evitassem a região atingida por sanções.

Os Estados Unidos acusam a China de abusos generalizados dos direitos humanos em Xinjiang, lar dos uigures predominantemente muçulmanos do país, incluindo trabalho forçado. Pequim nega as acusações.

No mês passado, a Intel foi criticada nas mídias sociais chinesas por uma carta aos fornecedores publicada em seu site. A carta de 23 de dezembro disse que a Intel foi "exigida a garantir que sua cadeia de suprimentos não use mão de obra ou bens ou serviços de origem da região de Xinjiang" após restrições impostas por "vários governos".

Este parágrafo, ou qualquer referência a Xinjiang ou à China, não estava mais na carta, de acordo com uma revisão da Reuters na mesma página na terça-feira. A carta agora diz que a empresa proíbe "qualquer trabalho humano traficado ou involuntário, como trabalho forçado, por dívidas, prisão, servidão ou trabalho escravo em suas cadeias de suprimentos estendidas".

A Intel não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre a mudança no texto. No mês passado, a empresa pediu desculpas pelo "problema" que causou, dizendo que seu compromisso de evitar cadeias de suprimentos de Xinjiang era uma expressão de conformidade com a lei dos Estados Unidos, e não uma declaração de sua posição sobre o assunto.

As empresas multinacionais estão sob pressão, pois pretendem cumprir as sanções comerciais relacionadas a Xinjiang enquanto continuam operando na China, um de seus maiores mercados.

A exclusão pela Intel de qualquer referência a Xinjiang em sua carta anual aos fornecedores foi criticada pelo senador norte-americano Marco Rubio.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos