Interesse de empresas por startups cresce no Brasil

·2 min de leitura
Das companhias que não investem no segmento, 92% querem aplicar dinheiro em startups. (Getty Imagens)
Das companhias que não investem no segmento, 92% querem aplicar dinheiro em startups. (Getty Imagens)
  • 61% das empresas pesquisadas já aplicam em startups no Brasil;

  • Ao investir em startups, empresas têm interesse é financeiro estratégico;

  • Analistas especulam crescimento do investimento em companhias de inovação para os próximos anos.

O mercado de startups no Brasil vem batendo recordes. Em 2021, 10 novas empresas de inovação alcançaram US$ 1 bilhão (R$ 5,3 bilhões) em valor de mercado e se tornaram unicórnios. Também no ano passado foram investido R$ 53 bilhões em startups brasileiras.

O mercado aquecido chama a atenção das empresas tradicionais e já estabelecidas, é o que aponta a pesquisa “Corporate Venture Capital no Brasil” feita pela ABVCAP (Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital).

Leia mais:

O levantamento mostra que 61% das companhias nacionais investem em startups, conhecido como CVC (Corporate Venture Capital). Entre as empresas brasileiras que não aplicam dinheiro em startups, 92% tema pretensão de investir no mercado de inovação.

O interesse parte das empresas em diversificar seus investimentos e se aproximar de conexões com acesso a ideias e solução de mercado. 75% das empresas consultadas na pesquisa desejam obter vantagens estratégicas e financeiras ao aplicar dinheiro em startups.

O cenário tão favorável não era esperado, de acordo com coordenador do Comitê de CVC da ABVCAP, Sandro Valeri. “Foi realmente uma surpresa”, “Imaginávamos que empresas ainda consideravam apenas o resultado financeiro como benefício do CVC, mas a situação é diferente, e já há uma visão de longo prazo”, explica Valeri.

Os valores aplicados ainda são baixos, na avaliação de Valeri. Aproximadamente metade dos CVCs têm investimentos abaixo de R$ 100 milhões, apenas 30% dos empenhos tem valores acima de R$ 1000 milhões.

Para o também coordenador do Comitê de CVC da ABVCAP, Rosario Cannata, a perspectiva para o futuro é de crescimento no investimento de empresas brasileiras em startups.

“Hoje vemos que esse valor é pouco, mas as quantias baixas estão associadas ao risco, porque empresas não podem comprometer muito capital em iniciativas recentes. No futuro, essa quantia será bem maior”, argumenta Cannata.

Com informações da Exame.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos