Internações por Covid-19 diminuíram em 98% dos hospitais privados de SP, diz pesquisa

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***RIBEIRÃO PIRES, SP, 15.03.2021 - Hospital de campanha de Ribeirão Pires, interior paulista; local recebe pacientes da Covid-19 (Foto: Rubens Cavallari/Folhapress)
***ARQUIVO***RIBEIRÃO PIRES, SP, 15.03.2021 - Hospital de campanha de Ribeirão Pires, interior paulista; local recebe pacientes da Covid-19 (Foto: Rubens Cavallari/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma pesquisa realizada pelo SindHosp (Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios de São Paulo) com 60 hospitais privados do estado paulista revela que 98% deles registraram diminuição nos índices de internação de pacientes com Covid-19 nos últimos dez dias.

Entre os entrevistados, 64% apontam queda na ocupação de leitos —atualmente entre 41% e 50%—, enquanto 17% registram redução de internações superior a 71%. A pesquisa foi realizada entre os dias 13 e 21 de setembro. Os 60 hospitais privados ouvidos somam, juntos, 2.454 leitos de UTI e 4.157 leitos clínicos.

“Hoje temos 68% da população vacinada com a primeira dose, e este é o motivo do esvaziamento dos hospitais com pacientes Covid", afirma o médico Francisco Balestrin, presidente do SindHosp. Balestrin, no entanto, destaca a necessidade de manutenção do uso de máscara e do distanciamento social, além da aplicação da terceira dose de reforço da vacina contra o novo coronavírus.

Questionadas sobre a ocupação dos leitos de UTI, 66% das unidades hospitalares apontam ocupação menor que 50% dos leitos, enquanto 30,5% registram ocupação entre 81% e 90%. Na pesquisa anterior, realizada em agosto, apenas 11% dos hospitais entrevistados tinham ocupação menor que 50%.

Segundo o SindHosp, o tempo médio de internação em UTI cresceu: 75% dos hospitais indicam entre 15 e 21 dias de permanência —há um mês, 73% deles tinham como tempo médio de internação de 8 a 14 dias, e apenas 13% registravam um período de 15 a 21 dias.

Quanto à faixa etária predominante em leitos UTI, 47% dos hospitais indicam a predominância de pacientes acima de 70 anos, e 39% registram pacientes entre 61 e 70 anos.

Diante na queda da demanda por parte de pacientes da Covid-19, 86% das unidades já registram aumento no agendamento de cirurgias eletivas, enquanto no mês passado apenas 30% delas apontavam esse crescimento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos