Internacional progressista lançará observatório para monitorar instituições no Brasil e na Hungria

·1 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Progressive International (PI), rede global de forças progressistas, lança nesta segunda-feira (15) um observatório para monitorar as instituições e o processo e leitoral em países como Colômbia, Hungria e Brasil. Segundo a organização, o projeto é uma resposta aos ataques à democracia em todo o mundo.

O lançamento conta com o endosso de figuras políticas de diversos países como Noam Chomsky, Rafael Correa, Ertuğrul Kürkçü, Guillaume Long, Celso Amorim, Fernando Haddad, Jeremy Corbyn, Aruna Roy, Aída García-Naranjo e Andrés Arauz.

O observatório atuará em diversas frentes, desde a organização de delegações em cada país até a construção de uma rede global para combater a desinformação e a realização de pedidos de investigação em caso de interferência ilícita no processo democrático.

"De Narendra Modi na Índia a Jair Bolsonaro no Brasil, líderes autoritários estão se organizando para capturar os tribunais, criminalizar a oposição e fraudar as regras para se manter no poder", diz o coordenador-geral da Progressive International, David Adler.

"As organizações que afirmam defender a democracia são inadequadas para enfrentar esta crise global. Na verdade, grupos como a Organização dos Estados Americanos, a OEA, participaram de ataques a instituições democráticas em países como o Haiti e a Bolívia", segue Adler, que diz que observatório surge como alternativa ao órgão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos